conecte-se conosco

Resenhas

SÉRIE: Dracula (2020)

Publicados

em

série Dracula
[Por Jarmeson de Lima]
Quando uma produção como “Dracula” é lançada, a nossa primeira preocupação é imaginar o quão fiel pode ser a adaptação da obra original. E no caso, estamos falando de um livro de Bram Stoker que serviu de inspiração para inúmeros filmes nos últimos 100 anos. Sendo assim, o que a dupla Mark Gatiss (Sherlock) e Stephen Moffat (Doctor Who) poderiam nos trazer de novo? Logo nos créditos, os dois deixam claro que esta minissérie da BBC e exibida na Netflix é “baseada” e não “adaptada” da obra original, o que nos faz crer que haja certas liberdades no roteiro sem a intenção de ser uma transcrição fiel da trama com o mesmo personagem que “ganhou vida” em 1897.


Dividida em três partes, sendo cada uma de 1h30, a minissérie revisita a saga do icônico vampiro em três momentos distintos. Os dois primeiros episódios trazem homenagens a clássicos do cinema e o último já se aproxima das releituras mais recentes. Interessante ver que o primeiro episódio é o que mais lembra a história original e, por consequência, a obra de Tod Browning com Bela Lugosi. Claes Bang magistralmente interpreta um Conde Dracula que emula os trejeitos do nosso ator canastrão favorito com sotaques e frases que os fãs lembram bem. Esta caracterização, no entanto, só fica no comecinho, uma vez que sua aparência decrépita vai mudando e rejuvenescendo na medida em que absorve o sangue e o conhecimento de suas vítimas.

Em contraponto a este porto seguro da minissérie, temos uma narrativa que parte dos flashbacks de um debilitado Jonathan Harker (John Heffernan) em um convento em Budapeste. Sendo que nesta nova versão, quem conduz o relato de Harker é a Irmã Agatha (Dolly Wells), uma freira que possui um interesse por demais demasiado na convivência de um hóspede não intencional do castelo do conde. Mais tarde entenderemos os motivos pelos quais esta serva de Deus demonstra ser um personagem tão especial com coragem para enfrentar esse demônio cara a cara.

Nisso aí, quando menos se espera, o tempo corre e chegamos ao segundo episódio onde o enredo se foca quase que totalmente na ida do navio Deméter à Inglaterra. Quem conhece a história já sabe também que é a bordo desta embarcação que a merda acontece. O que não era previsível é o enredo que apresenta tantos outros personagens (dos quais não devemos nos apegar porque vão sumir) em uma história que por si só já é bem envolvente.
E se no primeiro episódio tivemos boas homenagens ao clássico de 1931, neste segundo capítulo, vamos de referências à Hammer e ao Dracula encarnado por Christopher Lee, inclusive na voracidade, na lábia e no visual do sanguinolento vampiro. O episódio ainda funciona como uma boa história de mistério, com mortes situadas em um único cenário (no caso, um navio), como acontece em “Horror Express“, grande filme que tem a presença de Lee e Cushing, que por sinal interpretava Van Helsing nos longas do estúdio britânico.

Já que tocamos no nome de Van Helsing, a série e o terceiro episódio nos trazem mais especificamente um foco neste personagem com certas liberdades artísticas que os fãs mais ortodoxos não iriam curtir. Nem por isso deixam de aparecer Renfield e Lucy com suas novas versões. De certa forma, só este episódio deixou a desejar.
Basicamente temos um salto temporal que traz Dracula até o século XXI, onde ele começa a se adaptar ao mundo moderno e muda um pouco seus planos e sua forma de se relacionar com as pessoas e suas vítimas. Talvez pela ambição de mostrar ‘sangue novo’ na história, tivemos aqui um Príncipe das Trevas que está mais próximo dos filmes recentes de vampiro do que algo condizente com o material das duas primeiras partes da minissérie. Mas convenhamos… modernizar o mito dos sugadores de sangue não é algo que surgiu agora, vide “Dracula A.D. 1972“, que aqui ganhou o título infame e genial de “Drácula no Mundo da Minissaia“.

No geral, “Dracula” é uma grande obra que pode entreter os aficcionados por terror e vampiros. A fotografia e a direção de arte estão primorosas, garantindo o deleite visual. O elenco, como já foi mencionado, está bem convicente em seus papeis. E pelo final do último ep. não dá bem pra apostar que haverá uma segunda temporada (esta aqui demorou três anos desde seu sinal verde até a estreia!). Ainda assim, se vier, que mantenha o nível desta sem necessariamente continuar a contar o enredo a partir do seu desfecho.

Escala de tocância de terror:

Título original: Dracula
Criadores: Mark Gatiss e Steven Moffat
Elenco: Claes Bang, Dolly Wells, Corrina Wilson e outros
Número de episódios: 03
Produção: BBC / UK

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. valmir marques

    6 de janeiro de 2020 a 13:32

    van helsing..mulher cheia de marra e super empoderada?? nem Drácula merecia essa patacoada feminista…cruz credo…vade retro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: O Grito (2020)

Publicados

em

O grito

Passados 16 anos do lançamento de um remake que rendeu duas continuações (uma delas feita para lançamento em vídeo), temos aqui o quarto filme da franquia americana de “O Grito”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Color Out of Space (2020)

Publicados

em

Color Out of Space

H.P Lovecraft voltou a ficar em evidência, seja em games como “Call of Cthulhu” (2018) e “The Sinking City” (2019) como em adaptações cinematográficas. Só neste ano de 2020 já tivemos duas obras inspiradas no autor, tendo elementos e personagens de suas obras em “Ameaça Profunda” e agora “Color Out of Space”, uma adaptação direta de um dos seus celebres contos e o motivo desse texto existir. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Trending