conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: Fúria Silenciosa (1982)

Publicados

em

Fúria Silenciosa

Achou que nunca ia ter filme de Chuck Norris aqui no Toca o Terror? Achou errado, caro leitor! Demorou, mas enfim chegou a hora de falarmos de “Fúria Silenciosa” (Silent Rage), um dos primeiros filmes desta fera e que não era da seara de luta/ação. É de terror, mas é claro que também ia ter este inestimável ícone do cinema dando seus golpes mortais.

Como todo boa obra de terror dos anos 80, este filme aqui tem um roteiro pra lá de absurdo. E por isso mesmo, deliciosamente divertido. Acompanhe comigo: Um sujeito meio pino frouxo tem um surto repentino daqueles que os remédios não dão conta e acaba ameaçando a vida da própria família.

No meio da balbúdia, os vizinhos acionam a polícia que prontamente chega à residência de John Kirby (Brian Libby). Eis que pro azar do maníaco psicótico, o xerife da cidade é ninguém menos que Dan Stevens (Chuck Norris). Em uma perseguição meio desastrada, para dizer o mínimo, o meliante acaba sendo baleado e gravemente ferido.

Numa dessas coincidências que só acontecem em filmes, o terapeuta do jovem Kirby acompanha a tragédia e no hospital resolve realizar um novo tratamento experimental nele transgredindo todo tipo de conduta ética. Em tese, esta medicação seria capaz de cicatrizar feridas e recuperar danos causados a órgãos internos. Mas para o bem e para o mal, a experiência reavivou o cara e o transformou numa espécie de Michael Myers que agora age como um zumbi obedecendo as ordens de seu mestre sem balbuciar nenhuma sílaba.

E é aí onde o filme se torna peculiarmente interessante. Indo atrás de novos casos de homicídio, o xerife Stevens esbarra no psicopata ‘Deadpool‘ e descarrega nele todo tipo de bala e porrada. Pena que essa parte, a mais esperada, fique restrita ao último ato deste slasher de ação.

Em 1h40, “Fúria Silenciosa” tem briga, tem sangue, um pouco de gore e suspense. Mas também tem falhas ridículas em cenas de luta, um romance feito pra encher linguiça e sequências meio nonsense. Convenhamos, não é uma obra prima, mas no quesito diversão não faz feio. Quem estiver curioso por esta bela salada, o filme encontra-se no catálogo do Tubi, um serviço gratuito de streaming estrangeiro com vários filmes meio esquecidos e outros obscursos.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Piquenique na Montanha Misteriosa (1975)

Publicados

em

Piquenique na Montanha Misteriosa

Ah, a Austrália…. Nunca fui, mas gosto de muitos longas que se passam lá: Mad Max, O Corte da Navalha, Pelos Caminhos do Inferno, Wolf Creek, Morte Súbita. Porém, o filme que indicarei hoje não tem 0,1% da violência desses que eu falei, mas não deixa de ser um belo exemplar do cinema de horror da terra dos cangurus.

Piquenique na Montanha Misteriosa (Picnic at Hanging Rock, 1975) é um dos primeiros trabalhos do diretor Peter Weir em sua terra natal. Depois ele partiu para os EUA, onde dirigiu grandes produções como O Show de Truman, A Testemunha e Sociedade dos Poetas Mortos e colecionou indicações ao Oscar.

O roteiro de Cliff Green, baseado no livro de Joan Lindsay, conta a história de um grupo de jovens estudantes de um colégio para moças que, em 14 de fevereiro de 1900, partiram para uma excursão a Hanging Rock, um conjunto de montanhas que tinha a má fama de ser um local onde coisas esquisitas acontecem. E, claro, acontecem no filme também. Três meninas e uma professora somem durante o passeio.

A partir daí, um clima de histeria coletiva toma conta da cidade e do colégio. Mas, como citado acima, não veremos um pingo de sangue nos momentos de tensão. O filme de Peter Weir tem uma forte pegada de conto de fadas e faz muitas referências a sonhos. Além disso, o diretor explora com perfeição a paisagem inóspita da Austrália, que era praticamente intocada, no início do século passado.

Não precisa dizer que Piquenique na Montanha Misteriosa é o que se costuma chamar de “lento”, mas se você curte fugir um pouco do banho de sangue e entrar de cabeça em produções mais “viajadas”, a dica está dada. Tem no YouTube, mas sem legendas.

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Pequeno Demônio (2017)

Publicados

em

Pequeno Demônio

[Por Felipe Macedo]

Filmes com crianças diabólicas estão entre nós há muito tempo, tendo como principal exemplo o clássico “A Profecia”. E como o cinema vez ou outra mostra crianças como monstros capazes de terríveis atrocidades, “Pequeno Demônio” (Little Evil), filme original da Netflix é o novo exemplo deste sub-gênero. Quer dizer… mais ou menos. Aqui o tom não é de terror e sim de comédia que satiriza esse filão de forma bacana. (mais…)

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Tokyo Zombie (2005)

Publicados

em

Tokyo Zombie

[Por Jarmeson de Lima]

Pense num filme esculhambado (no bom sentido) e você vai chegar perto do que é Tokyo Zombie, produção de 2005 e que poderá ser vista por você ao alcance de um click na Amazon Prime. Produto da mente insana de Sakichi Satô e baseado num mangá de mesmo nome, o filme apresenta o ataque de mortos vivos (advinha onde?)… em Tokyo! (mais…)

Continue lendo

Trending