conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Afflicted (2013)

Publicados

em

Afflicted

Com a enxurrada de filmes no estilo Found Footage que vêm surgindo nos últimos anos, já tivemos zumbis, lobisomens, fantasmas, alienígenas, trolls, psicopatas e até o Pé-Grande. Por isso, era óbvio que o personagem mais popular do cinema de horror não iria ficar de fora de toda essa festa.

Afflicted (2013) é o filme responsável por trazer os vampiros para esse universo. E o longa dirigido, escrito e até estrelado pela dupla Derek Lee e Clif Prowse, que inclusive usam seus próprios nomes em cena, consegue dar um novo gás nesse estilo já desgastado após tantas produções de baixo nível.

derek-lee-in-afflicted-(2013)

Na história, Derek é diagnosticado com um problema no cérebro que pode lhe matar a qualquer momento. Então ele resolve abandonar o emprego e partir em uma viagem ao redor do mundo no melhor estilo “aproveitar a vida”. Seu amigo de infância, o documentarista Clif, resolve acompanhá-lo na empreitada, registrando toda a aventura e postando em um vídeo blog. Assim, não espere pelo habitual found-footage com imagens caseiras. Tudo aqui é registrado com equipamentos profissionais.

Voltando a falar do enredo de “Afflicted“, os amigos começam a viagem por Barcelona e em seguida partem para Paris. E é na capital francesa onde a ação realmente começa. Após ficar com uma garota em um bar, Derek é encontrado desacordado e ferido no quarto do hotel onde estava hospedado. Devido à aparente superficialidade das lesões, ninguém se preocupa em procurar um médico e decidem seguir viagem.

afflicted-(2013)-large-picture

Na parada seguinte, em Veneza, Clif começa a perceber as mudanças apresentadas em seu amigo, como sensibilidade à luz e aumento de força e velocidade. Porém, nesse primeiro momento, o longa perde um pouco da sua característica de terror. Clif começa a registrar Derek apostando corrida com uma moto, levantando um carro e pulando de um prédio para o outro. Fica mais com cara de filme de super-herói do que qualquer outra coisa.

Mas quando a necessidade de Derek por sangue surge na trama, os diretores acertam a mão. O objetivo de mostrar novas perspectivas através dos diversos ângulos que as lentes podem proporcionar quando usadas de maneira inusitada é realmente alcançado. As cenas de ataque, quando Derek atua com uma câmera acoplada em seu peito são espetaculares.

derek-lee-in-afflicted-(2013)-large-picture

O estilo found-footage aqui não é conduzido da forma usual, com o velho argumento da fita perdida que foi encontrada e contém um segredo. Pelo contrário. Diariamente, Clif posta as filmagens no vídeo blog e, em alguns momentos, os internautas interagem com os dois através de comentários na página.

Afflicted tem as falhas recorrentes do estilo que resolveu adotar, como diálogos apressados e a ausência de maiores explicações sobre o tema abordado. Mas é tecnicamente muito bom e conseguiu se sobressair no universo do Found Footage. Deixamos aqui um alerta para a cena pós-créditos que além de servir de gancho para uma possível continuação é a melhor do filme. Na última sessão do Cineclube Toca o Terror, nosso convidado Rodrigo Carreiro deixou esse filme como dica. E ele estava certo em elogiá-lo!

Nota: 7,5

Direção: Derek Lee, Clif Prowse
Roteiro: Derek Lee, Clif Prowse
Elenco: Clif Prowse, Derek Lee, Michael Gill
Origem: Canadá e EUA

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=WkvCNae3Ip8&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Rodrigo Carreiro

    22 de julho de 2014 a 22:57

    opa, boa crítica!! (y)

  2. Mauro

    24 de julho de 2014 a 18:48

    Show de bola! Valeu, Gera! Devo ver na sexta essa aí!

  3. Pingback: LISTA: Found Footages que valem a pena serem vistos | Toca o Terror

  4. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending