conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Eli (2019)

Publicados

em

Eli

[Por Rodrigo Rigaud]

Filmes de terror protagonizados por crianças. Quantos? Muitos! E aqui vai a resenha de mais um. E mais um horror “daqueles”, assinado pelo selo Netflix – que já nos trouxe coisas boas, vá lá, que mostram que a galera do streaming também manja do gênero. Mas o algoritmo (sempre ele) insiste em, também, fazer aqueles filmes protótipos, que são um amontoado de ideias milimetricamente copiadas de obras consagradas ou não e fundidas em um novo projeto. Apesar das boas intenções, Eli segue por esse exato caminho.

O roteiro nos informa que Eli (que dá nome ao filme) é uma criança que sofre de um mal raro, que o impede de estar ao ar livre sob a luz do sol. Os pais investem mundos e fundos para reverter o quadro de saúde do filho, o que os leva à Dra Horn (Lily Taylor de A Freira, Massacre no Texas e Invocação do Mal) e seu “internato para pacientes”.

Supostamente ela seria a melhor especialista com o lugar ideal para que Eli fosse tratado e ficasse junto a seus pais que, aparentemente, vivem apenas para cuidar do garoto. Mas não tarda para que uma personagem, no caso Haley (Sadie Sink, a Max de Stranger Things interpretando a Max de Stranger Things) diga que “alguma coisa está fora da ordem”. E daí pro fim tome jumpscare, num trabalho preguiçosíssimo de Ciarán Foy, que uma vez defendi no comando de um irregular “A Entidade 2”, outro horror de protagonismo infantil.

Pouco se cria de tensão e o que existe é episódico. O espectador antecipa as decisões da trama tomadas pelos roteiristas David Chirchirillo, Ian Goldberg e Richard Naing. Plot Twists? Eficazes apenas quando as narrativas não o fazem de forma tola, diante a construção rasa de seus personagens. E em Eli tudo é tolo, tudo é ideia – a ideia de misturar vários símbolos do sobrenatural, gerando uma obra amorfa, completamente sem vida própria, assim como o personagem na maior parte da duração do filme.

Eli até parece um “Maligno”, tão esquecível quanto. Às vezes lembra “Brightburn – Filho das Trevas”, sem a personalidade deste.

Isso para citar dois trabalhos dos quais não dista um ano. O fato é que é difícil acompanhar o esforçado Charlie Shotwell carregando o seu protagonista até às últimas consequências, pois o texto é fraquíssimo e a direção do Ciarán pouco agrega no resultado final com closes e mais closes e planos fechados para disfarçar a parca produção do filme completamente “de estúdio”.

Mas dos destaques negativos, o destaque, vai, de fato, para os personagens dos pais de Eli, Rose (Kelly Reilly) e Paul (Max Martini). Mal escritos, não sabem direito o que fazem no meio da história toda – e até sabem, mas parecem, eles próprios, duvidarem do que versa o roteiro. Coisa braba.

Ao fim da sessão, resta aquele amargor na boca de ter revisto um filme ruim. Ou ter visto um filme ruim copiado de alguns filmes médios. Tem meia dúzia de cenas interessantes, mas a sensação de “hummm… já vi isso em algum lugar”, se você viu algo entre 5 e 10 filmes de horror nos últimos anos, não vai lhe desgarrar nunca. Pra quem curte os tradicionais jumpscares, é o que resta, porque a história em si é de matar. Ou morrer.

Escala de tocância de terror:

* Especial para o Toca o Terror

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Dente por Dente (2021)

Publicados

em

Dente por dente

Sonhar que está com dentes caindo é presságio de morte. E em “Dente por Dente“, o que mais vemos são cenas com dentes e mortes para deixar bem clara a mensagem de que estamos diante de um produto mais pesado para as plateias brasileiras.

Estrelado por Juliano Cazarré e Paolla Oliveira, dois rostos bastante conhecidos em novelas de TV, esta nova produção nacional aposta em um gênero que está se tornando cada vez mais frequente no audiovisual brasileiro atual: o chamado “thriller” ou simplesmente, “suspense policial”.

Permeado por devaneios do personagem de Cazarré e sequências de sonho, “Dente por Dente” traz o ator como responsável de uma empresa de segurança privada que investiga a estranha invasão das obras de um condomínio de luxo. O caso vira um gatilho para revelar outros esquemas e apresentar problemas que envolvem a mulher de seu sócio.

Apesar de uma narrativa linear, o filme de Pedro Arantes e Júlio Taubkin se perde um pouco com tantas interferências e cenas recontadas pelo protagonista. Claro que seria importante para a trama, mas a muleta da narração em off também cansa às vezes.

Ambientado nos cenários urbanos de São Paulo, “Dente por Dente” traz tensão e cenas violentas tal como uma obra “policial” precisa. Mas além de ser um produto de gênero, o filme também mostra de forma não tão subliminar outros problemas que essa dicotomia de espaços públicos e privados trazem à tona em uma violência cotidiana simbólica.

Escala de tocância de terror:

* Filme visto na Cabine Virtual promovida pela Vitrine Filmes

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

GAME: Alien Isolation (2014)

Publicados

em

Alien Isolation

No espaço ninguém ouvirá seus gritos, mas em casa seus vizinhos, sim. Então, estou parafraseando na cara dura a tagline de “Alien – O Oitavo Passageiro” para afirmar que “Alien Isolation” te fará gritar igual a Jamie Lee Curtis em Halloween. E isso é maravilhoso! Que Resident Evil que nada! Este game pra mim foi até hoje o melhor survival horror que joguei e mesmo sendo um título de lançamento cross-gen entre a sétima e oitava geração de consoles foi o que teve de melhor no quesito horror na agora “old-gen”.

Na trama, acompanhamos Amanda Ripley, uma engenheira espacial que sonha em reencontrar a sua mãe, Helen. Ela é abordada por uma dupla que trabalha na mesma empresa que a mãe e que lhe promete respostas sobre seu destino, desde que Amanda os acompanhe a uma imensa estação espacial. Uma vez lá, eles encontram o horror de um lugar abandonado e de uma criatura bastante conhecida que não irá parar até todos estarem mortos.

Temos aí uma trama simples e bastante efetiva que honra a série original em todos os sentidos com personagens bem construídos e o horror em primeiro lugar. Ou seja, bem diferente desses novos filmes pseudo-intelectuais que não agradaram quase ninguém. A direção de arte aqui é totalmente baseada no filme original com muito dejá-vu.

A parte sonora dá um show à parte e o desafio o jogar com um headseat. Isso lhe ajuda a ter uma experiência enervante. Mas mesmo sem isso, garanto a você que qualquer barulho te fará pular. É preciso ficar ligado ao som ambiente para poder permanecer vivo no jogo. A câmera em primeira pessoa foi acertada e te coloca literalmente na ação… Haja coração!

O vilão, no caso, a criatura, tem a melhor inteligência artificial que vi num game. Ele te caça pelo som, faz armadilhas, te engana e proporciona momentos de puro cagaço, já que a maioria das suas ações não são scripitadas. Embora o foco seja o gato e rato entre protagonista e o monstro, temos outros inimigos e enigmas que irão testar a inteligência e o combate de Ripley.

Ah, outro foco é o gerenciamento e criação de itens. Mas não vá usando tudo de uma vez pois pode acabar sem material depois. Armas de fogo são escassas e pouco recomendadas, pois o barulho atrai o bichão. O uso de itens de distração são os mais recomendáveis e é muito prazeroso detonar um grupo de humanos com isso para deixar o xenomorfo fazer a festa.

Mesmo sendo considerado um jogo antigo Alien Isolation” vale a pena ser jogado. Tal qual os filmes, o que é bom não tem idade. E no atual momento com poucos jogos sendo lançados, recomendamos ir atrás e conhecer essa intensa obra. Para você que é fã da franquia, aconselho caçar os áudios colecionáveis, pois eles foram dublados pelo elenco até então vivo do filme original. E o bom de não ser lançamento é que o game se encontra sempre em promoção a preços bem convidativos.

Escala de tocância de terror:

Alien Isolation está disponível para PS3,PS4, PS5( via retrocompatibilidade), XBOX360, XBOX ONE, XBOX Series (via retrocompatibilidade) e PC.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Deuses Americanos (2017)

Publicados

em

Shadow Moon (Ricky Whittle) é um sujeito bem azarado. Poucos dias antes de deixar a prisão, ele fica sabendo que sua esposa morreu. E que ela o estava traindo com seu chefe e melhor amigo. Viúvo e desempregado, ele ganha a liberdade, porém, está quebrado. Na viagem para casa, ele conhece o excêntrico Mr. Wednesday (Ian McShane) que lhe oferece um trabalho temporário como seu segurança em uma viagem pelos Estados Unidos. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending