conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Eli (2019)

Publicados

em

Eli

[Por Rodrigo Rigaud]

Filmes de terror protagonizados por crianças. Quantos? Muitos! E aqui vai a resenha de mais um. E mais um horror “daqueles”, assinado pelo selo Netflix – que já nos trouxe coisas boas, vá lá, que mostram que a galera do streaming também manja do gênero. Mas o algoritmo (sempre ele) insiste em, também, fazer aqueles filmes protótipos, que são um amontoado de ideias milimetricamente copiadas de obras consagradas ou não e fundidas em um novo projeto. Apesar das boas intenções, Eli segue por esse exato caminho.

O roteiro nos informa que Eli (que dá nome ao filme) é uma criança que sofre de um mal raro, que o impede de estar ao ar livre sob a luz do sol. Os pais investem mundos e fundos para reverter o quadro de saúde do filho, o que os leva à Dra Horn (Lily Taylor de A Freira, Massacre no Texas e Invocação do Mal) e seu “internato para pacientes”.

Supostamente ela seria a melhor especialista com o lugar ideal para que Eli fosse tratado e ficasse junto a seus pais que, aparentemente, vivem apenas para cuidar do garoto. Mas não tarda para que uma personagem, no caso Haley (Sadie Sink, a Max de Stranger Things interpretando a Max de Stranger Things) diga que “alguma coisa está fora da ordem”. E daí pro fim tome jumpscare, num trabalho preguiçosíssimo de Ciarán Foy, que uma vez defendi no comando de um irregular “A Entidade 2”, outro horror de protagonismo infantil.

Pouco se cria de tensão e o que existe é episódico. O espectador antecipa as decisões da trama tomadas pelos roteiristas David Chirchirillo, Ian Goldberg e Richard Naing. Plot Twists? Eficazes apenas quando as narrativas não o fazem de forma tola, diante a construção rasa de seus personagens. E em Eli tudo é tolo, tudo é ideia – a ideia de misturar vários símbolos do sobrenatural, gerando uma obra amorfa, completamente sem vida própria, assim como o personagem na maior parte da duração do filme.

Eli até parece um “Maligno”, tão esquecível quanto. Às vezes lembra “Brightburn – Filho das Trevas”, sem a personalidade deste.

Isso para citar dois trabalhos dos quais não dista um ano. O fato é que é difícil acompanhar o esforçado Charlie Shotwell carregando o seu protagonista até às últimas consequências, pois o texto é fraquíssimo e a direção do Ciarán pouco agrega no resultado final com closes e mais closes e planos fechados para disfarçar a parca produção do filme completamente “de estúdio”.

Mas dos destaques negativos, o destaque, vai, de fato, para os personagens dos pais de Eli, Rose (Kelly Reilly) e Paul (Max Martini). Mal escritos, não sabem direito o que fazem no meio da história toda – e até sabem, mas parecem, eles próprios, duvidarem do que versa o roteiro. Coisa braba.

Ao fim da sessão, resta aquele amargor na boca de ter revisto um filme ruim. Ou ter visto um filme ruim copiado de alguns filmes médios. Tem meia dúzia de cenas interessantes, mas a sensação de “hummm… já vi isso em algum lugar”, se você viu algo entre 5 e 10 filmes de horror nos últimos anos, não vai lhe desgarrar nunca. Pra quem curte os tradicionais jumpscares, é o que resta, porque a história em si é de matar. Ou morrer.

Escala de tocância de terror:

* Especial para o Toca o Terror

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: Castlevania (2017)

Publicados

em

Castlevania

[Por Felipe Macedo]

Sou gamer desde de quando me entendo por gente e passei boa parte da minha vida me divertindo (e me estressando) com essa mídia. Conheci a série Castlevania nos 16bits e já sabia que era uma franquia já bastante estabelecida antes (em 8 bits), mais precisamente no nintendinho. Passei várias tardes dando chicotadas em lobisomens, medusas, zumbis e claro no vampirão mais famoso do mundo: O Conde Drácula. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending