conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Goeng Si (Rigor Mortis) (2013)

Publicados

em

Goeng si

Por Geraldo de Fraga

A melhor coisa de Goeng Si (Rigor Mortis), escrito por Lai-yin Leung e Philip Yung, e dirigido pelo estreante Juno Mak, é o roteiro sem pé nem cabeça. O que (quase sempre) é um defeito que acaba afugentando o espectador, aqui passa despercebido. Isso porque essa produção chinesa de 2013 nos proporciona um espetáculo visual daqueles que só o cinema asiático pode dar.

O longa está sendo vendido como um filme de vampiros. Não deixa de ser, mas não falamos dos vampiros tradicionais com caninos afiados e que fogem da luz do sol. Na China, é com o “Jiang Shi” que as pessoas têm que se preocupar. Uma criatura das trevas que é combatida… com arroz!

Rigor-Mortis

A história começa quando o ator em decadência Siu-Ho Chin (que também é seu nome de batismo) se muda para um enorme prédio em Hong Kong, após um divórcio traumático. Lá, também mora Yau (Anthony Chan), um caçador de vampiros aposentado que virou cozinheiro e tem um restaurante onde o prato principal é… arroz.

Além dessa figura bizarra, temos uma maluca sensitiva que reside com o filho pequeno no subsolo do edifício. Como se seus vizinhos não fossem motivos suficientes para querer morrer, deprimido pela separação que o deixou longe do filho pequeno, Siu-Ho Chin tenta suicídio.

É nessa hora que ele conhece Yau. Mas na mesma hora que o velho salva a sua vida, ele descobre que seu apartamento é assombrado por fantasmas de irmãs gêmeas malignas. Achou pouco? Paralelo a tudo isso, existe um feiticeiro no prédio que está preparando um “experimento” que, como era de se esperar, sairá do seu controle e colocará a vida de todos em risco.

4-rigor-mortis

A junção de tanta coisa é na verdade uma série de homenagens aos filmes de terror chineses dos anos 80. Em especial a Geung si sin sang (Mr. Vampire), de 1985, onde Siu-hou Chin também atua ao lado de Anthony Chan, e que se tornou um clássico do cinema fantástico oriental.

E na função de tributo a que se propõe, Goeng Si é impecável. Os efeitos especiais podem não ser primorosos como em produções de Hollywood, mas trazem uma criatividade que quase nunca é vista aqui no lado ocidental. Enquanto os americanos se preocupam em copiar o design dos fantasmas asiáticos, eles nos mostram uma novidade a cada dia.

rigor_mortis1__large

Além disso, as cenas de lutas, que não poderiam ficar de fora de um longa chinês de aventura/ação/fantasia/terror/miscelânea, estão perfeitas. Além das coreografias bem ensaiadas, a belíssima fotografia dá um toque todo especial. Goeng Si (Rigor Mortis) é um espetáculo visual de alto nível.

Nota: 7,0

Direção: Juno Mak
Roteiro: Lai-yin Leung, Philip Yung
Elenco: Anthony Chan, Siu-Ho Chin, Fat Chung
Origem: Hong Kong

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=opBwIkiGtFA&w=560&h=315]

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Lucas

    16 de fevereiro de 2014 a 14:22

    muito bom!

  2. Regiane Mattos

    21 de julho de 2014 a 17:51

    Um filme realmente cheio de detalhes misticos da cultura oriental. E particularidades dos personagens em cena que induzem ao lado sombrio e perturbador atingindo assim seu gênero.

  3. Ana Paula

    10 de janeiro de 2015 a 18:00

    O filme todo você fica: “Hã? O quê? Ma que…? Até chegar ao fim, quando tudo se encaixa e se explica. Depois de uma hora e quarenta achando que acabou de assistir uma bizarrice japonesa, vc finalmente entende tudo e descobre que, no final das contas, assistiu um filme bom.

  4. Diogo Soares

    17 de fevereiro de 2016 a 03:57

    Cara, como assim, fiquei pasmo no final! O filme é uma sucessão de surpresas, tudo é possível nele! E daí quando você acha que terminou, que você não entendeu porra nenhuma e que vai ficar por isso mesmo, daí vem a bomba!

  5. Yuri Big Boss

    12 de Maio de 2016 a 16:54

    Este filme é sensacional, uma obra de arte, e quase único do gênero ^-^

  6. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending