conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: The Silence (2019)

Publicados

em

Silence

[Por Felipe Macedo]

A Netflix ataca mais uma vez. Agora é com uma nova produção de terror que surfa na onda de sucesso de “Um Lugar Silencioso” lançado há um ano atrás. “O Silêncio” (The Silence) também tem criaturas que caçam tudo que se mexe através do som emitido por elas. Ou seja, tá todo mundo caladinho por aqui também. Mas será que o serviço de streaming entregou uma obra tão boa quanto a do filme famoso? Isso é o que iremos descobrir a seguir.

Um grupo de exploradores participa de uma ação numa caverna localizada no interior dos EUA e acidentalmente libera um bando de morcegos monstruosos que tem um apetite especial por carne, principalmente a humana. O caos é instaurado e logo o país se torna terra de ninguém, onde acompanhamos uma família e sua luta por sobrevivência.

Vamos agora à análise das similaridades com a obra mais conhecida. Além dos antagonistas caçarem pelo som, temos também uma personagem que é deficiente auditiva. E aqui também os demais membros da família se comunicam com ela por linguagem dos sinais. Pronto, as semelhanças acabam aqui. E já digo que estamos numa versão bagaceira da história. Não que isso pudesse ser ruim, mas a trama se leva a sério demais e os absurdos são tantos que não tem como assistir sem rir.

A direção de John R. Leonetti, responsável por pérolas como “Mortal Kombat: A Aniquilação” (1997), “Annabelle” (2014) e o pavoroso “7 Desejos” (2017), é praticamente nula e tediosamente arrastada, nunca conseguindo causar tensão ou qualquer outra emoção que não seja o riso. Eu fico me perguntando se o cara achou realmente bacana as canastrices e caras e bocas dos vilões. E não foi à toa que citei Mortal Kombat, o rosto das criaturas lembram muito a do personagem Baraka, presente em vários jogos da série.

O principal chamariz em “O Silêncio” é a presença de duas atrizes da famosa série “O Mundo Sombrio de Sabrina”, outra produção original Netflix. As atrizes Kiernan Shipka e Miranda Otto, respectivamente Sabrina e Tia Zelda, aqui interpretam mãe e filha em um show de preguiça, nunca passando as emoções que as personagens pedem. Isso inclui ainda o pai Stanley Tucci. Na real, todo o elenco trabalha no automático e gera involuntários momentos hilários.

Vale lembrar que o filme não tem muito gore e as partes vermelhas do longa ou são mostradas de longe ou desfocadas. Acredito que seja assim para não assustar o público da série da bruxinha. “O Silêncio” é fraco, mas divertido se você gosta de obras constrangedoras.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Silence
Diretor: John R. Leonetti
Roteiro: Carey Van Dyke, Shane Van Dyke e Tim Lebbon
Elenco: Kiernan Shipka, Stanley Tucci, Miranda Otto e outros
Ano de lançamento: 2019

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Giancarlo Centoundici

    18 de abril de 2019 a 15:09

    Se eu tivesse lido essa resenha antes, nem tinha perdido minha manhãzinha de quinta assistindo uma bomba dessas. Têm um desenrolar até o final, é nos últimos 10 minutos muda o tom e o rumo completamente, o que é tarde demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: O Grito – Origens (2020)

Publicados

em

O Grito - Origens

O J-Horror ficou mundialmente conhecido no início dos anos 2000 devido ao sucesso do remake americano de “O Chamado” (2002). Tempos depois aportava em cinemas do mundo todo “O Grito” (2004) outro remake de uma obra oriental e também um enorme sucesso comercial.

A primeira metade dessa década ficou marcada por um número imenso de remakes orientais, além da grande distribuição das obras originais. Mas tudo em excesso é ruim e chegou um momento em que ficamos saturados desses remakes e continuações.

Nos tempos atuais até tivemos uma tentativa de reviver essas franquias, como aconteceu com o próprio “O Grito” que recebeu um horrendo reboot americano no começo do ano. Meses depois deste lançamento, uma série da Netflix realizada no seu país de origem, tem a proposta de contar o inicio do maldição que assombra os espectadores ao longo dos últimos 16 anos.

A série “O Grito – Origens” segue várias linhas de tempo durante as décadas de 60, 80 e 90, e entre idas e vindas, mostra como uma casa se tornou maligna e como isso afligia a vida dos seus desafortunados residentes ou quem ousasse entrar no local. Um pesquisador paranormal e autor de livros de terror adentra na história e tenta descobrir o que de fato ocorre nessa teia de desgraças que ocorre por lá.

Servindo como prequel para a franquia original de filmes, a série aparentemente prometia desvendar a origem do ódio de Kayako e sua família por todos que entrassem em seus domínios… mas já adianto que a vilã principal da franquia cinematográfica não deu as caras pelo menos na tela nessa primeira temporada. Aqui conheceremos outras assombrações que residiam no local beeem antes.

Eu confesso que nunca morri de amores pelos filmes. Sempre achei bem medianos e acabei topando ver a série num quase prazer culposo e com a mínima esperança de que fosse algo bom. Infelizmente não foi o caso. A estrutura narrativa de idas e vindas no tempo é confusa com muitos personagens pouco ou zero aproveitados. O uso de temas polêmicos jogados na tela só para chocar o espectador me incomodaram bastante principalmente por serem cenas descartadas pouco tempo depois.

Agora vou ter que dar um leve spoiler, pois a cena que encerra o primeiro episódio e tem continuidade no seguinte pode ser um gatilho para muitas pessoas. No caso, há um estupro que é mostrado de forma fetichista e objetificada, e suas consequências são de uma irresponsabilidade gritante. Entendo que a série queria fazer um parelelo entre o horror real e o sobrenatural, mas ficou acima do tom, sensacionalista demais.

“O Grito – Origens” então é uma bomba completa? Bem ..quase. Existem cenas isoladas que conseguiram me dar aquele arrepio ou me surpreender, mas elas são poucas e não conseguem fazer milagre. Os efeitos práticos e a maquiagem são ótimos e o gore se faz presente. Infelizmente o mesmo não se pode dizer dos efeitos digitais.

Os personagens careciam de um desenvolvimento melhor com algo que o público se identificasse. E uma trama mais enxuta faria toda uma diferença. Ah, e o tal subtítulo “origens” é meio enganoso pois deixa mais perguntas do que fornece respostas, provavelmente já pensando em próximas temporadas.

Escala de tocância de terror:

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Que Nos Mantêm Vivos (2018)

Publicados

em

O Que Nos Mantêm Vivos

O cinema com temática LGBTQI+ está cada vez mais ganhando visibilidade. Dentre os gêneros abordados, o terror também se encontra presente. Pessoalmente não conheço muitos filmes com uma pegada séria, uma vez que sempre acabam flertando com a comédia, como é o caso de “Matadores de Vampiras Lésbicas” (2009) ou “The Curse of the Queerwolf” (1988). Existem, sim filmes mais sérios como “Parceiros da Noite” (1980), mas obviamente são casos raros. Recentemente, navegando pela Amazon Prime, descobri o filme “O Que Nos Mantêm Vivos”, um filme de terror de sobrevivência estrelado por um casal lésbico.

A trama acompanha o casal Jackie e Jules que está comemorando o seu primeiro ano de casamento indo para uma casa de campo. As coisas começam bem, mas alguns segredos e mentiras vêm à tona e o que seria um fim de semana romântico se torna um pesadelo imprevisível. Falar mais que isso seria spoiler e já adianto que evitem o trailer antes de assistir, pois ele conta o filme todo.

Casais apaixonados em casas no meio do nada sendo apavorados não é algo novo e esse filme tenta não reinventar a roda, mesmo com seus momentos de surpresa. As duas atrizes seguram as pontas e dão mais camadas às suas personagens na medida em que o caos emerge. O jogo de gato e rato é interessante e por vezes instigante, me lembrando o superior “Hush – A Morte Ouve” (2014). A direção consegue na maior parte do tempo captar a tensão e a loucura, mesmo que em alguns momentos escorregadios, as cenas se transformem em algo quase caricato.

Uma coisa que me incomodou em “O Que Nos Mantêm Vivos” foi o uso de estereótipos para caracterizar as personagens. Na maioria dos filmes do gênero sempre parece uma regra ter que se colocar alguém do casal de forma mais masculinizada para se ter uma distinção do seu par. Isso vale para casais gays também, claro. É como se a audiência hétero não pudesse enxergá-los simplesmente como um casal se não tiver essas características aparentes. Outra coisa que me irritou foi se utilizar do manjado artifício da burrice de certa personagem para fazer a trama prosseguir. Ficam claras várias possibilidades, mas o roteiro teima em ir pelo caminho mais fácil.

Embora o filme apele mais para o psicológico, o gore aparece aqui e ali para salpicar a tela de vermelho. No fim é um bom filme que te prende até o final, mesmo por vezes te fazendo virar os olhos em descrédito. Divertido, “O Que Nos Mantêm Vivos” merece ser mais visto.

Escala de tocância de terror:

Título original: What Keeps You Alive
Direção e roteiro: Colin Minihan
Elenco: Hannah Emily Anderson, Britany Allen, Joey Klein
Ano de lançamento: 2018
País de origem: Canadá

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Predadores Assassinos (2019)

Publicados

em

Predadores Assassinos
[Por Osvaldo Neto]
Muitos fãs de terror estarão assistindo a PREDADORES ASSASSINOS nos cinemas no próximo final de semana. Mas nem todos nutrem a mesma expectativa quanto aqueles que tem algum conhecimento de causa a respeito do diretor Alexandre Aja. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending