conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Midsommar – O Mal Não Espera a Noite (2019)

Publicados

em

Midsommar

[Por Geraldo de Fraga]

Não foi a primeira vez que o segundo filme de um cineasta promissor despertou interesse de forma demasiada. Após estrear com o ótimo Hereditário (2018), todo mundo queria saber o que Ari Aster aprontaria em seguida. Quando os trailers de Midsommar: O Mal Não Espera a Noite começaram a surgir, a empolgação tomou conta, já que o longa prometia uma incursão por dentro de uma seita esquisita no meio do nada e isso não podia dar errado.

Quatro estudantes americanos são convidados por um colega sueco para assistir a um antigo festival em seu vilarejo natal. Chegando lá, os turistas descobrem que apesar de belo e interessante, o evento não é nada convencional, levando o paganismo às últimas consequências. Passo a passo, a estranheza vai se transformando em medo, até que os jovens se vêem cercados por um ambiente hostil.

Comparar o filme com O Homem de Palha (The Wicker Man, 1973), obra máxima do subgênero Folk Terror, era esperado por conta do tema seita/comunidade pagã, mas as similaridades param por aí. Ari Aster envereda por uma história de luto, relacionamentos fracassados e pessoas procurando seu lugar no mundo. E se em O Homem de Palha as pistas estão escondidas até serem descobertas pelo sargento Howie, aqui elas estão espalhadas em vários detalhes em cenas, como pinturas e até alucinações.

Porém, Midsommar tem tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, que tropeça no que é mais óbvio. Com exceção do casal Dani (Florence Pugh) e Christian (Jack Reynor), cuja relação instável vai se deteriorando gradativamente, os personagens secundários não despertam muito interesse e acumulam atitudes sem sentido dentro da trama.

Por outro lado, alguns pormenores visuais, a estética, fotografia e outros aspectos técnicos fazem do longa uma experiência visual interessante. A violência gráfica, comedida, mas brutal quando necessária, assim como em Hereditário, já virou uma marca de Ari Aster, mesmo que sua carreira ainda engatinhe. E é por essas razões, que o filme se sustenta na média.

Escala de tocância de terror:

Direção: Ari Aster
Roteiro: Ari Aster
Elenco: Florence Pugh, Jack Reynor, Vilhelm Blomgren
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. DJ Tonyy

    30 de setembro de 2019 a 13:04

    Foi abaixo do esperado, mas ainda é o melhor do gênero em 2019.

  2. Pingback: RÁDIO – PROGRAMA 42: Seitas Macabras | Toca o Terror

  3. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) | Toca o Terror

  4. Pingback: LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2019) – Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: The Titan (2018)

Publicados

em

The Titan

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Trending