conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Celular (2016)

Publicados

em

Celular

Quando foi lançado, em 2006, o livro Celular de Stephen King foi vendido como “a primeira incursão do mestre do horror no universo zumbi”. Naquele ano, as criaturas estavam na moda, e nada mais rentável do que juntar essas duas grifes. Mas só agora, 10 anos depois, a história chega aos cinemas, pelas mãos de diretor Tod Williams, com roteiro do próprio King. E a impressão é que o filme está uma década atrasado.

Cell-6

Apesar de usar o conceito dos filmes de zumbis (infecção de grandes proporções, irracionalidade dos infectados, isolamento dos sobreviventes), os monstros do longa não são os clássicos mortos vivos. São pessoas que estavam usando seus telefones celulares, no momento em que um pulso eletromagnético é disseminado pelos aparelhos e os transforma em seres descontrolados que atacam qualquer um que veem pela frente.

No meio dessa confusão, temos o escritor de quadrinhos Clay Riddell (John Cusack) que está no aeroporto, tentando ir de Boston para Kent Pond, no estado do Maine, para rever sua família. Após o início da epidemia, ele se junta a Tom McCourt (Samuel L. Jackson) e Alice Maxwell (Isabelle Fuhrman), que se oferecem para ajudá-lo em sua viagem.

Cell-20161

Após um início frenético e cheio de ação, o ritmo vai caindo vertiginosamente. Aos poucos, vemos os infectados evoluindo e começarem a andar em grupo, se comunicarem, planejarem ataques e começamos a entender que não acompanharemos uma simples história de sobrevivência e sim um discurso contra a dependência da sociedade atual às tecnologias.

Porém, todas essas informações subsequentes, assim como as teorias desenvolvidas pelos personagens para entender o processo, são mostradas de forma superficial, o que deixa o longa confuso. Sem contar no surgimento de um vilão que ninguém sabe de onde vem e que acaba levantando um monte de questões que o filme não responde. O elenco ainda não colabora. John Cusack segue com sua eterna cara blasé e Samuel L. Jackson só está ali cumprindo tabela.

Cell-2

Fica a impressão de uma má adaptação. Mas como explicar isso se o roteiro foi escrito pelo próprio King? Celular deixa ainda um final em aberto que deve agradar a poucos, pois esse tipo de desfecho só é satisfatório quando a história tem algo relevante a dizer. Como dito antes, é um filme que chegou atrasado, quando todo mundo já deitou e rolou em cima da temática pós apocalíptica e criticou de várias maneiras o uso desenfreado de smartphones, tablets e afins. O Celular de Tod Williams é o popular “tijolão”.

Escala de tocância de terror:

Direção: Tod Williams
Roteiro: Stephen King e Adam Alleca
Elenco: John Cusack, Samuel L. Jackson e Isabelle Fuhrman
Origem: EUA
Ano: 2016

Continue lendo
10 Comentários

10 Comments

  1. Maria Silvia

    1 de julho de 2016 a 08:12

    Uma bomba estratosférica. Começou tão bem e foi decaindo até o final. Aliás, não entendi aquele final rs

  2. yanpatricktop

    2 de julho de 2016 a 02:21

    A Última Premonição – Crítica SEM SPOILER
    https://www.youtube.com/watch?v=eARi0nwomks
    ASSISTAM A CRITICA AI GALERA E VEJAM O QUE ACHEI DO FILME QUE SO VAI SER LANÇADO DIA 14 DE JULHO . EU ACOMPANHEI A PRE ENTREIA E TRAGO A CRITICA PRA VCS

  3. Sidnei

    18 de março de 2017 a 23:58

    Esta no Top 10 dos piores filmes que ja assisti. Com certeza um dos piores filmes de 2016,

  4. Raiza

    10 de abril de 2017 a 21:06

    Eu achei uma bosta aquele final.

  5. Carlos Henrique Mariano

    19 de Maio de 2017 a 22:29

    que merdaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  6. Shaila Spalla

    4 de novembro de 2017 a 22:42

    Meuu nao entendi bosta nenhuma daquele final hahah ainda bem q nao foi so eu

  7. Pingback: Stephen King - Quem é e todos os filmes baseados nos livros do autor

  8. Pingback: Stephen King – Quem é e todos os filmes baseados nos livros do autor – Arquiteta Giovanna

  9. Pingback: Stephen King – Quem é e todos os filmes baseados nos livros do autor – post

  10. maxsuel

    21 de março de 2020 a 02:32

    uma bosta. tosco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending