conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Floresta Maldita (2016)

Publicados

em

Floresta Maldita

[Por Geraldo de Fraga]

Sara (Natalie Dormer) descobre que sua irmã gêmea que mora no Japão está desaparecida. E o pior: na última vez em que foi vista, ela estava na floresta Aokigahara, conhecida por ser um lugar onde as pessoas vão para cometer suicídio. Aflita, Sara parte rumo à Terra do Sol Nascente na esperança de ainda encontrá-la viva.

Floresta Maldita (The Forest, 2016), dirigido pelo estreante em longas Jason Zada, reúne alguns clichês do gênero. Primeiro, temos a saga da protagonista em uma terra “estranha” seguindo pistas envoltas em mistério, porém sem o suspense necessário. O longa ainda consegue a façanha de retratar todos os personagens japoneses como pessoas supersticiosas que veem teor sobrenatural em tudo, fazendo com que o clima de mistério vire algo constrangedor.

Ao chegar na área do floresta, Sara conhece Aiden (Taylor Kinney), repórter australiano que se interessa pela sua história e aceita entrar com ela no meio do mato. Acompanhando os dois, está o guia Michi (Yukiyoshi Ozawa), responsável por ser o elo com o local, esclarecer os fatos e alertar sobre os perigos iminentes. Através dele ficamos sabendo as histórias da floresta e a crença de que espíritos malignos conseguem captar a tristeza nas pessoas, forçando-as a se matarem.

Depois de termos o terreno pronto para a história, enfim, tomar seu caminho em direção ao horror, vem mais decepções. Sara começa a se sentir influenciada pela Floresta, devido à sua angústia de não saber se a irmã ainda está viva. Mas ao invés de criar uma clima de tensão, a direção de Zada prefere seguir o caminho dos sustos fáceis, os famosos jumpscares. O roteiro também não colabora. A tentativa de trazer algo trágico do passado da protagonista soa forçado por causa de mais outro clichê do gênero: a expiação da culpa. E temos ainda o final apressado.

Fica claro que Floresta Maldita tentou se garantir apenas no mito e na curiosidade do público em torno dos suicídios ocorridos em Aokigahara e acabou nos entregando um produto genérico qualquer. E se você ainda estiver afim de assistir por causa do cenário, nem se iluda. A locação usada nas filmagens é na verdade o Parque Nacional de Tara, na Sérvia. Ou seja: desse mato não sai cachorro, muito menos um bom filme.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jason Zada
Roteiro: Nick Antosca, Sarah Cornwell e Ben Ketai
Elenco: Natalie Dormer, Taylor Kinney e Yukiyoshi Ozawa
Origem: EUA

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Juliana

    9 de março de 2016 a 17:28

    Esse filme foi decepcionante.

  2. Eu

    21 de março de 2016 a 20:13

    Com tantas críticas negativas esse filme vai ser ótimo, pq no filme a bruxa tinha tantas críticas positivas e pra mim foi uma merda de filme até a animação paranorman mete mas medo do que a bruxa rsrs

  3. Simon correa de jesus

    27 de junho de 2016 a 13:29

    Gostei do filme,vale a pena

  4. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

  5. Fabumba

    28 de julho de 2016 a 02:38

    Acabei de ver o filme. Curti sim, meio biruta mas valeu.

  6. João Gilberto

    29 de julho de 2016 a 00:19

    Filme sem enredo, lento, e final chato, apressado e sem graça.

  7. Neia

    20 de novembro de 2016 a 06:03

    Ótimo filme!!!
    Bastante suspense… e o melhor é que todas as cenas que não sabemos se é real ou alucinações da cabeça da protagonista acabam sendo esclarecidas logo em seguida no decorrer do filme nos fazendo entender.
    O filme tem td que esperamos bom Início, ótimo Meio e final Perfeito…

  8. doug

    2 de fevereiro de 2017 a 05:09

    Assisti o filme e gostei profundamente. mas fiquei em dúvida se a protaginista morre ou sobrevive …alguém saberia me dizer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: A Visita (2015)

Publicados

em

A Visita

Por Júlio César Carvalho

Para uns, M. Night Shyamalam é um gênio, mas pra outros, o diretor não passa de uma farsa. Na minha visão, a carreira do rapaz se resume assim: em 1999, Shyamalam ganhou a atenção do mundo com o clássico contemporâneo O Sexto Sentido (The Sixth Sense) e em seguida, se superou com o ótimo Corpo Fechado (Unbreakable, 2000). Depois vieram Sinais (Signs, 2002) e A Vila (The Village, 2004) que apesar de bons, começaram a causar dúvidas em muitos a respeito da sua suposta genialidade. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: O Poço (2020)

Publicados

em

O Poço

Com uma produção modesta com apoio do governo espanhol e distribuição da Netflix, “O Poço” (El Hoyo) mescla mistério, drama e ficção científica numa trama que é fácil de resumir, mas difícil de explicar. Assim como obras como “Cubo” e “Demônio“, a ação deste filme se concentra em alguns poucos cenários, restando aos atores imprimir um trabalho que chama a atenção do público.

O estreante em direção de longas, Galder Gaztelu-Urrutia, apresenta aqui uma história que se passa em uma espécie de prisão vertical, em que cada andar abriga dois presos. A plataforma não possui grades ou janelas… apenas as paredes, camas e um buraco no chão e no teto que é por onde uma vez por dia desce uma grande mesa de comida.

E é através do comportamento dos presos frente às refeições que são destrinchadas analogias sociais de opressão, solidariedade e das relações de poder que vão de cima para baixo literalmente. Quem tem sorte de ficar nos níveis superiores tem a chance de comer as refeições com os pratos ainda intactos e limpinhos. Já quem está mais abaixo vai tendo que se contentar com o que vai sobrando sem que nehum dos confinados tenha a preocupação de deixar algo para quem vai se alimentar depois. 

Nesta situação de isolamento dividida em um lugar onde você não queria estar e com quem você não queria conviver, o lado obscuro de cada um se revela e podemos esperar o pior na medida em que vemos o que acontece nos níveis inferiores do Poço. Podia ser só um filme tipo crítica social ao sistema carcerário, mas ele abrange uma metáfora maior sobre nossa presença no mundo e nossa responsabilidade diante da escassez e desperdício de alimentos.

Apesar de ter um ritmo mais reflexivo, “O Poço” sempre guarda cenas impactantes (e com boa dose de gore) no desdobramento de sua história garantindo uma certa fluidez pra quem assiste. Obras assim que oferecem algo a mais do que aparentam estão em falta no cardápio da Netflix, mas são sempre bem vindas.

Escala de tocância de terror:

Título original: El Hoyo
Diretor: Galder Gaztelu-Urrutia
Roteirista: David Desola
Elenco: Ivan Massagué, Zorion Eguileor, Antonia San Juan
País de origem: Espanha

Continue lendo

Trending