conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Fragmentado (2017)

Publicados

em

Fragmentado

Em 2015, estreava A VISITA  como uma promessa de volta de M. Night Shyamalan (Sexto Sentido, Corpo Fechado, A Vila) ao suspense/horror que tanto o consagrou no fim dos anos 90 e início dos anos 2000. Com a boa receptividade desse thriller de found-footage, ficou aquela expectativa pelo próximo trabalho na esperança de uma possível volta por cima do cineasta. Agora que estamos em 2017, FRAGMENTADO (Split) estreia surpreendendo a todos e confirma o que parecia impossível: M. Night Shyamalan voltou. E voltou chutando bundas!

Split-Official-Trailer-1-(2017)---M.-Night-Shyamalan-Movie-[VDownloader].mp4_snapshot_00.22_[2017.03.21_04.30.10]

Em FRAGMENTADO, acompanhamos a luta de três garotas pela sobrevivência em cativeiro enquanto reféns de um maníaco chamado Kevin (James McAvoy – X-Men Primeira Classe) que sofre de múltiplas personalidades. Ao mesmo tempo, vemos o empenho da Dra. Fletcher (Betty Buckely – Fim dos tempos, Carrie (1976)) em provar para a comunidade médica que seu paciente não sofre de transtorno algum, mas que ele na verdade “são” 23 pessoas de fato, dividindo um corpo só. Das três garotas sequestradas, Casey Cooke (Anya Taylor-Joy – A Bruxa), a mais retraída e inteligente do grupo, intriga o nosso multifacetado vilão e passa a ser a preferida “deles”.

Aos poucos vamos conhecendo a fundo as quatro principais personas que habitam o corpo de Kevin: Dennis, o frio sequestrador com mania de limpeza; Patrícia, uma senhora autoritária e bem religiosa; Barry, o simpático estilista; e o inocente Hedwig de apenas 9 anos de idade. Apesar de personalidades completamente diferentes, todas acreditam na chegada de uma besta que vai devorar todos os impuros. Também vamos conhecendo mais sobre a sagaz Casey através de flashbacks do seu passado. Nisso, Shyamalam nos confere uma empolgante construção de personagens como não fazia há tempos.

Split-Official-Trailer-1-(2017)---M.-Night-Shyamalan-Movie-[VDownloader].mp4_snapshot_00.56_[2017.03.21_04.33.25]

Muito bem escrito e dirigido por M. Night Shyamalan, FRAGMENTADO resgata certas assinaturas do cineasta como aparecer no filme, a cor vermelha sempre sinalizando o perigo e até um certo exagero melodramático que beira o cafona. Tecnicamente impecável, Shyamalan é meticuloso em seus enquadramentos e se mostra ainda capaz de construir sequências de extrema tensão, sejam frenéticas ou lentas, como a cena do sequestro logo no início.

As atuações aqui são escenciais para tornar crível toda a situação cabulosa que nos é apresentada: Anya Taylor-Joy, aos poucos nos vai apresentando uma Casey cheia de surpresas mostrando uma evidente evolução da personagem ao longo da trama. Também temos a protetora doutora Fletcher, vivida quase que maternalmente pela não tão conhecida Betty Buckely, que não mede esforços pra salvar seu paciente “deles” mesmo.

Split-Official-Trailer-1-(2017)---M.-Night-Shyamalan-Movie-[VDownloader].mp4_snapshot_02.13_[2017.03.21_04.29.02]

E claro, temos James McAvoy com seu psicopata de múltiplas personalidades que faz um esforço danado pra criar veracidade para cada personalidade. O ator é mais eficiente do que atrapalhado em suas transformações. Acerta em detalhes sutis como nos trejeitos de Dennis e Patrícia, mas peca no excesso de “caras e bocas”, chegando a canastrice, principalmente quando encarna o menino Hedwig. A ótima química entre McAvoy e Taylor-Joy conta muito para nossa imersão na trama e é o que sustentando todo o clima de urgência do longa.

O roteiro traz um conceito interessante com relação a múltiplas personalidades que, como não sou da área, não sei se já chegou a ser especulada pela comunidade médica, mas que para o filme funciona perfeitamente. Uma pena não poder discorrer nesse aspecto aqui no texto, pois estragaria toda experiência. Recomendo até que seja evitado ao máximo ler certas notícias especulativas com spoliers nas chamadas, mesmo anteriores a estreia, pois pra este que vos escreve, não ler esses conteúdos foi o que me fez ser surpreendido pelo maravilhoso terceiro ato. Pra não dizer que não vi nada, só vi um trailer e foi suficiente.

Split-Official-Trailer-1-(2017)---M.-Night-Shyamalan-Movie-[VDownloader].mp4_snapshot_01.47_[2017.03.21_04.28.13]

No fim das contas, eu diria que FRAGMENTADO cumpre mais do que promete, já que não temos “apenas” uma reviravolta aqui. E como dito no início, este confirma a volta à boa forma deste cineasta que é tão polarizado pelos cinéfilos. Se você ainda tá cabreiro com Shyamalan e tá com receio de ver esse filme, só digo isso: Assista-o até o último segundo e deleite-se com a cereja do bolo.

Escala de tocância de terror:

Título original: Split
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: James McAvoy, Anya Taylor-Joy e Betty Buckely
Ano: 2016/17

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo
5 Comentários

5 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: #Alive (2020)

Publicados

em

Alive

O cinema sul coreano ganhou uma visibilidade incrivel nos últimos anos e hoje não é tão raro ver obras vindas de lá aportarem no cinema. Mas é claro que com a pandemia as coisas foram freadas e alguns filmes estão ganhando destaque via streaming. Este é o caso de #Alive, filme que estreou em seu país na reabertura dos cinemas com bastante êxito e está sendo distribuído mundialmente pela Netflix.

A trama acompanha um jovem rapaz, que sozinho no apartamento da família, tenta sobreviver a uma epidemia mortal que transforma os cidadãos em zumbis sedentos por carne humana. No passar de vários dias, com comida e água acabando e ataques cada vez piores das criaturas, o rapaz coloca em cheque a promessa que fez ao pai de sobreviver. E aos trancos e barrancos ele tentará cumprir o que foi pedido.

#Alive é um bom filme de zumbis que não coloca nada de novo na mesa, mas traz o básico que, em sua maior parte, é competente. O longa não enrola e logo nos primeiros minutos a confusão e o caos predominam. A primeira parte é a melhor, se passando em praticamente um único cenário, mostrando bem a sensação de solidão e medo do personagem com cenas de ação pontuais e mais comedidas. Vale comentar a ótima maquiagem dos monstros que lembram o conterrâneo “Invasão Zumbi” (Train to Busan).

Outra semelhança com o longa de zumbis mais famoso é a ambientação minimalista e o país. Sinceramente, essa sim deveria ser a sequência real dele, pois mesmo não sendo perfeita, se mostra bem superior à continuação oficial, chamanda “Península”.

Os problemas de #Alive vêm à tona em sua segunda metade, onde as sequências de ação se tornam inverossímeis demais (até para um filme de zumbis)… Meio que a produção se rende ao espetáculo ocidental apresentando exageros que tiram a atenção diversas vezes. O clímax acaba sendo forçado e emotivo demais querendo a todo custo arrancar lágrimas do público.

Concluindo… #Alive não é um divisor de águas do gênero, mas é divertido e tenso na maior parte de sua duração. Vale gastar o tempo assistindo as desventuras do protagonista e sua busca pela sobrevivência.

Escala de tocância de terror:

Título original: #Saraitda
Diretor: II Cho
Roteiro: II Cho,Matt Naylor
Elenco: Ah-in Yoo, Shin-Hye Park,Bae-soo Jeon e outros
País de origem: Coreia do Sul

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Dominação (2017)

Publicados

em

Dominação

[Por Felipe Macedo]

Estrelado por Aaron Eckhart e produzido por Jason Blum, “Dominação” (Incarnate) mais uma vez mostra a história de um jovem possuído por um demônio poderoso. Nosso herói aqui luta para derrotar o grande mal e salvar o dia. No entanto, o longa tenta vir com uma promessa de abordar o tema de uma forma diferente do que foi mostrado até hoje. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending