conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Ghoul – Trama Demoníaca (2018)

Publicados

em

Ghoul

[Por Júlio César Carvalho]

Pesquisando aqui para a “dica dessa semana”, percebi que, daqui a 8 dias, vai fazer 1 ano desde a minha última indicação de alguma produção do catálogo da Netflix BR. Foi então que fui lá dar uma fuçada e encontrei GHOUL: TRAMA DEMONÍACA, uma minissérie indiana de apenas três episódios que me deixaram cabreiro do início ao fim.

A tal “trama demoníaca”, cujo o subtítulo nacional sugere, se passa na Índia em um futuro próximo no qual o país vive um regime ditatorial militar onde o governo anda acabando com as universidades, censurando obras literárias, perseguindo e prendendo qualquer um que questione o governo, etc. Soa familiar? Enfim…

Acompanhamos a recruta Nida Rahim (Radhika Apte) após provar sua lealdade ao país entregando o próprio pai por suspeita de subversão e terrorismo. Nida então é promovida pelo Coronel Sunil Dacunha (Manav Kaul), do alto escalão do governo, e levada para uma instalação militar (que oficialmente não existe) onde são levados os presos políticos para interrogatório e… bem, você já deve imaginar.

Lá, a militar encontra resistência da parte da Major Laxmi Das (Ratnabali Bhattacharjee) que suspeita que a jovem é uma traidora. Mas o lance é que a merda toda começa a feder valendo com a chegada de um prisioneiro importante que trouxe consigo um “ghoul”, um demônio que, além de possuir o indivíduo, toca o terror expondo os podres das pessoas provocando o caos generalizado.

Tecnicamente impecável, GHOUL é uma co-produção da indiana Phanton Films com a já conhecida Blumhouse e é dirigida por Patrick Graham, um cineasta britânico que trabalha na indústria indiana como roteirista de várias produções. Além de muito bem filmada e com bons efeitos visuais, esta minissérie conta com um trabalho sonoro interessantíssimo que agrega muito às cenas deixando tudo ainda mais cabuloso. Teve até uma cena que eu soltei um “EITA PORRA!” em alto e bom som!

Em suma, GHOUL, apesar de não ser tão original assim, entrega muitos momentos de tensão, alguns sustos (honestos) e uma violência gráfica generosa, sendo uma ótima pedida pra quem curte terror de possessão.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: In Search of Darkness (2019)

Publicados

em

Search of Darkness

[Por Frederico Toscano]*

In Search of Darkness é um documentário com uma proposta simples e direta: destrinchar a produção de horror dos Estados Unidos da década de 80. Lançado em maio do ano passado, acabou não chamando tanta atenção no Brasil (ou mesmo lá fora), provavelmente por não ter recebido uma distribuição e divulgação mais abrangentes. O que é compreensível, já que o projeto não saiu de um estúdio convencional, sendo fruto de uma bem-sucedida campanha de arrecadação dos sites Kickstarter e Indiegogo.

Com a meta alcançada e os fundos garantidos, o diretor e roteirista David Weiner deve ter pensado que os apoiadores mereciam ver seu dinheiro bem empregado. E entregou um filme de quatro horas e meia de duração. E pensar que teve gente reclamando de O Irlandês(mais…)

Continue lendo

Resenhas

SÉRIE: Coletivo Terror (2020)

Publicados

em

Coletivo Terror

Coletivo Terror (Bloodride), série norueguesa da Netflix, é uma produção em formato de antologia. São seis episódios com histórias independentes, durando cerca de 30 minutos cada. Os roteiros são diversificados, temos contos de fantasmas, psicopatas, lendas nórdicas, tudo no melhor estilo Além da Imaginação.

Three Sick Brothers

Muita gente pensa que escrever histórias curtas pode ser fácil, mas nem todo mundo é capaz de condensar uma ideia em um espaço de tempo limitado. Em certos casos é até mais difícil. E a série criada por Kjetil Indregard e Atle Knudsen tropeça justamente aí, falhando em dar ritmo aos capítulos e buscando sempre uma reviravolta que poucas vezes surpreende o espectador.

The Elephant in the Room

De algum destaque, listamos como bons argumentos os episódios Three Sick Brothers (E02), Lab Rats (E04) e The Elephant in the Room (E06). A intenção foi boa, mas uma coisa ou outra no roteiro acaba deixando-os menos interessantes do que poderiam ter sido. Lab Rats tinha tudo para ser ótimo suspense, não fossem os diálogos constrangedores.

Ultimate Sacrifice

Ultimate Sacrifice (E01), Bad Writer (E04) e The Old School (E05) são os responsáveis por jogar a nota do programa lá pra baixo, com histórias ruins, previsíveis e atuações que deixam a desejar. O primeiro principalmente por ser o único a fugir do lugar comum e focar em um fato histórico bem norueguês: a herança viking.

Talvez o formato de curtas empolgue quem procura um passatempo rápido e leve, mas não espere ser surpreendido em nada por Coletivo Terror. Se uma segunda temporada for confirmada pela Netflix, é bom os criadores começarem a se esforçar mais.

P.S.: Não entendi a relação com o ônibus da abertura.

Escala de tocância de terror:

Título original: Bloodride
Direção: Geir Henning Hopland e Atle Knudsen
Roteiro: Kjetil Indregard e Atle Knudsen
Elenco: Stig R. Amdam, Anna Bache-Wiig e Ellen Bendu
Origem: Noruega

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Desenfreado (2018)

Publicados

em

Desenfreado

Quem nunca ficou “viajando” pela Netflix horas e horas, muitas vezes sem encontrar nada para assistir que atire a primeira pedra. Nesses meus passeios por gêneros, encontrei uma produção asiática de 2018 que me chamou muito a atenção pelo fato de ter o plot praticamente idêntico ao da série de “Kingdom”. Decidi dar uma conferida então em “Desenfreado” (Rampant), longa do sul-coreano Sung-hoon Kim.

Vamos lá… Séculos atrás, um príncipe herdeiro retorna ao lar apenas para realizar o desejo de seu falecido irmão mais velho. Ao regressar, encontra o lugar mergulhado no caos político e repleto de intrigas de poder. O pior, no entanto, é que algo está trazendo os mortos à vida, sedentos por carne humana, piorando de vez a situação da região. O relutante príncipe se une a um grupo corajoso de aldeões e juntos tentam parar a ameaça.

As semelhanças com Kingdom vão além da premissa. Cenários e figurinos são idênticos e alguns personagens, mesmo diferentes, se assemelham bastante aos da série. Essa versão cinematográfica opta por um caminho mais voltado a ação, embora tenha momentos tensos e aqui vale elogiar a ótima maquiagem dos monstros. Os zumbis lembram em comportamento os que foram vistos no ótimo “Invasão Zumbi” (Train to Busan) e são uma baita ameaça a ser enfrentada, rendendo bons momentos de tensão.

Ainda assim, algo que me incomodou em “Desenfreado” foi o roteiro preguiçoso, deixando certos acontecimentos rasos apelando demais para a conveniência dos fatos. Por exemplo, o tempo de transformação em zumbi varia de acordo com a necessidade da história e acaba cansando. Para quem curte gore, infelizmente pode se decepcionar. Embora haja muito sangue rolando, não vemos a violência e a brutalidade habitual que esse tipo de filme tem.

Desenfreado” é um bom filme pipoca pra quem gosta de terror, zumbis e lutas. Seguramente é bem melhor que qualquer capítulo da franquia “Resident Evil” por exemplo. Pode assistir de boa nessa quarentena.

Escala de tocância de terror:

Direção: Sung-Hoon Kim
Roteiro: Jo-Yun Hwang, Shin-Yeon Won, Hwang Jo Yoon
Elenco: Hyun Bin, Ji-hye Seo, Tae-hoon Kim e outros
País de origem: Coreia do Sul

Continue lendo

Trending