conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Nightflyers (2019)

Publicados

em

Nightflyers

[Por Jarmeson de Lima]

Os algoritmos da Netflix andam a 1000 km/h ultimamente. Meio que já deu pra sacar como é o modus operandi deles, né?! São esses dados de preferência dos usuários e as tendências de consumo mundial que estão norteando a gigante do streaming audiovisual. E quando não conseguem algo de ponta, eles apelam pra um ‘remake’ tipo o seriado de “Perdidos no Espaço” ou adaptam histórias pouco conhecidas de escritores famosos a exemplo de “1922” de Stephen King.

No caso em questão, temos “Nightflyers“, um conto de George R. R. Martin (que todos sabem bem que é o autor de “Game of Thrones” e suas “Crônicas de Gelo e Fogo“) que se passa em uma missão espacial em busca de contato com uma raça alienígena. O texto foi escrito em 1980, publicado em uma compilação em 1985 e ganhou uma adaptação em 1987, sendo lançado em VHS e congêneres.

Ou seja… “Nightflyers” é mais uma produção deluxe com assinatura da Netflix baseada em material não-inédito. Mas como o filme de 32 anos atrás era bem fraquinho em termos técnicos, o SyFy deu um upgrade nos efeitos e nessa parceria criou a série que está agora disponível em streaming. E aproveitando-se do charme que a “grife” R.R. Martin dá, mesmo sendo uma história que nada tem a ver com castelos e dragões, o marketing foi feito e encaramos pra ver qualé.

A princípio, a série não é muito diferente de outras histórias contemporâneas de ficção científica que se passam no espaço com uma tripulação a bordo para uma missão. Daí você já imagina que aparecem os clichês de sempre com personagens afetados com flashbacks perturbadores e máquinas que adquirem vontade própria com portas que abrem e fecham quando querem. Tudo isso ainda dá pra relevar de boa, uma vez que a maior parte dessas histórias não foge disso.

A grande missão da Nightflyer é a de finalmente encontrar vida extraterrestre em uma nave identificada numa rota galática. Sendo que por não saberem como podem se comunicar com os alienígenas, decidiram levar também um jovem telepata a bordo. Este “L1” (cujo significado não é bem explicado), causa estranhamento desde o início da missão e é acusado de provocar mortes e ataques de pânico nas pessoas, apimentando ainda mais a tensão presente na estação espacial.

Nisso aí tem um pouco de “Enigma do Horizonte“, “Black Mirror” e “Alien“, obviamente. O ritmo da série começa bem com situações incômodas, mortes e mistérios a serem desvendados, mas é bem irregular com episódios descartáveis quando querem se aprofundar na psique dos passageiros.

A julgar pela fria recepção pelo mundo, o futuro de Nightflyers é indefinido e a missão no espaço pode ser abortada após o 10º episódio. Se não se levar pelas expectativas dadas pelo autor e produtor executivo da série, esta produção da Netflix serve pelo menos como uma distração.

Escala de tocância de terror:

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.
(mais…)

Continue lendo

Trending