conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Quando as Luzes se Apagam (2016)

Publicados

em

Quando as Luzes se Apagam

[Por Jarmeson de Lima]

Em sua essência, “Quando as Luzes se Apagam” é mais um drama familiar sobrenatural. Temos aqui uma mãe traumatizada, uma criança assustada, um pai desaparecido e uma filha rebelde compondo o núcleo principal desta produção que nos envolve em uma trama alegórica sobre o medo do escuro.

Se liga na sinopse: “Desde que era pequena, Rebecca tinha uma porção de medos, especialmente quando as luzes se apagavam”. Nossa… jura?! “Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema”. Qualquer semelhança com O Chamado seria coincidência. “Juntos eles descobrem que a aparição está ligada à mãe deles. Rebecca começa a investigar o caso e chega perto de conhecer a terrível verdade”. É quase um CSI Paranormal.

quandoasluzesseapagam_8-750x380

Brincadeiras à parte, o longa do sueco David F. Sandberg, tem como base este que foi um dos primeiros temores da humanidade. Natural que muita gente se interesse pelo tema e se identifique com o medo de possíveis criaturas que se escondem no escuro. Conforme a sinopse atesta, o medo do escuro acompanha os personagens em três gerações, indo da infância à terceira idade, ainda que a ameaça não pareça crescer junto ou esquecer seus traumas anteriores.

O fato é que é mesmo complicado extrair uma história grandiosa tendo por base um curta que só possuía mesmo uma cena, mesmo que bem sacada. E quem assistiu ao curta viral acaba indo na expectativa de ter algo na mesma intensidade de medo e sustos. Até então o longa segue à risca a premissa de ver um criatura que se esconde nas sombras e some da vista diante da luz. Para quem acompanha Doctor Who pode até encontrar similaridades disso com os Weeping Angels que se movem e atacam quando você não está olhando. Infelizmente, ou felizmente, as semelhanças param por aqui.

lightsout_1200x675

Se a ação de se revelar e de se ocultar diante do apagar e acender das luzes parece atemorizar as pessoas, esse clima de medo se perde ao longo da trama. A repetição exaustiva dessas cenas e as inevitáveis explicações médico-científicas para justificar os acontecimentos sobrenaturais terminam por decepcionar o fã de terror que vai em busca de algo a mais.

Apesar de frágil em sua essência e no formato de terror blockbuster, “Quando as Luzes se Apagam” tem alguns bons momentos desde que encarado como algo despretensioso. As cenas em que os personagens tentam acender as luzes com o que estiverem à mão para espantar a criatura podem tanto ser tensas e nervosas quanto involuntariamente engraçadas.

lights-out-19

O final ousado para a média de filmes apadrinhados por James Wan faz até com que ele escape da vala comum em que produções recentes tem caído. Ainda assim, não temos nada a temer em um filme cujo vilão tem nome, passado e uma enorme carência afetiva.

lights_out-feature-screen2

Escala de tocância de terror:

Direção: David F. Sandberg
Roteiro: Eric Heisserer
Elenco: Teresa Palmer, Maria Bello e Gabriel Bateman
País de origem: EUA
Ano: 2016

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z no UCI Recife

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

  1. Thiago Andrade Marinho

    6 de outubro de 2016 a 18:26

    Gostei muito da resenha,achei bem condizente com o que foi visto no filme,temos opiniões bastante parecidas,porém não entendi a analogia: “Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema”. Qualquer semelhança com O Chamado seria coincidência.
    Em nenhum dos dois filmes já lançados,vi algo que remetesse ou se assemelhasse à “Quando as luzes se apagam”.
    Abs

  2. Pingback: RESENHA: Annabelle 2: A Criação do Mal (2017) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

SÉRIE: What We Do in the Shadows (2019)

Publicados

em

What We Do in the Shadows

Na próxima quinta (15 de abril), estreia no canal FX dos EUA a segunda temporada de What We Do in the Shadows, série baseada no filme de mesmo nome lançado em 2014. Aqui no Brasil, sua primeira temporada foi exibida no ano passado pela Fox Premium. Vamos aproveitar então o retorno do programa lá fora para tecer algumas linhas sobre a atração.

Se você assistiu ao filme, fique sabendo que a mecânica é a mesma do longa. Uma equipe de filmagem que nunca aparece acompanha a rotina de três vampiros centenários que vivem na mesma casa e tentam se adequar ao mundo moderno. A principal mudança em relação à obra original é que a história se passa nos EUA, mais precisamente em Staten Island, Nova York.

O elenco também é outro Com a adição de uma personagem feminina, Nadja (Natasia Demetriou), e do lacaio Guillermo (Harvey Guillén), o trio de vampiros se completa com Nandor (Kayvan Novak) e Laszlo (Matt Berry). Há ainda um personagem recorrente, Colin Robinson (Mark Proksch), um humano que se apresenta como “vampiro de energia” e que se alimenta da força vital das pessoas, deixando-as entediadas.

A vida deles segue tranquila, até que eles são obrigados a receber como hóspede o barão Afanas (Doug Jones coberto de maquiagem, para variar), um vampiro milenar que vem da Europa e sonha em conquistar a América. Apesar desse ponto de partida, o enredo não se apega muito a ele. Como seriado, What We Do in the Shadows é basicamente uma sitcom, na qual o roteiro tenta brincar com os clichês da mitologia e da cultura pop.

No filme isso deu muito certo, mas ao longo de 10 capítulos, a série não se sustenta. Há momentos brilhantes, mas eles são raridades. Destaque para os episódios The Trial, com a participação de vários atores que interpretaram vampiros no cinema (como Wesley Snipes e Danny Trejo), e The Orgy, no qual, como o próprio nome diz, uma orgia vampírica é organizada, sem muito sucesso.

Porém, a impressão que fica é que assistir What We Do in the Shadows é um grande esforço para poucas risadas, mesmo que seus capítulos tenham apenas 30 minutos em média. Uma pena, pois o elenco todo é muito bom. Esperamos que nessa segunda temporada, os roteiristas estejam mais inspirados.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jemaine Clement e Taika Waititi
Roteiro: Jemaine Clement e Taika Waititi
Elenco: Kayvan Novak, Matt Berry e Natasia Demetriou
Origem: EUA

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Ameaça Profunda (2020)

Publicados

em

Ameaça Profunda
[Por Felipe Macedo]
Alien” (1979) foi um divisor de águas no quesito de mesclar gêneros, nesse caso, ficção e horror. Sequências foram realizadas assim como cópias com qualidades que iam do mediano ao lixo total. E agora nesse inicio de década, surge “Ameaça Profunda” (Underwater), um filme com toda pinta do primo famoso, estrelado por Kristen Stewart e coincidentemente do mesmo estúdio. (mais…)

Continue lendo

Trending