conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Maria e João – O Conto das Bruxas (2020)

Publicados

em

Maria e João

MARIA E JOÃO – O CONTO DAS BRUXAS é inspirado num dos contos mais conhecidos dos irmãos Grimm que já foi adaptado várias vezes pras telas. Até uma versão estilizada estrelando o Gavião Arqueiro dos Vingadores já teve! Agora é a vez de Osgood “Oz” Perkins dar sua visão à história optando pelo horror de fato nos oferecendo uma fábula cruel e cabulosa típica dos contos originais.

Antes é preciso dizer que não se trata de uma adaptação fiel ao conto dos irmãos Grimm e isso não é ruim. Embora preserve a premissa base sobre os irmãos famintos e abandonados na floresta que são acolhidos por uma bruxa que quer devorá-los, a primeira mudança vem no título com o nome de Maria vindo antes de João. Muda-se também o modo como alguns eventos acontecem e o filme traz elementos interessantes que dão mais peso e profundidade à trama e seus personagens.

Maria é o foco aqui. O longa é praticamente narrado pela moça que começa nos contando sobre a lenda de uma garotinha de chapéu rosa que fora curada quando bebê por uma bruxa e ganhou poderes malignos. Por conta disso foi expulsa e abandonada na floresta pelos aldeões. Em pouco tempo conhecemos a já adolescente Maria e seu pequeno irmãozinho João que vivem em extrema miséria com a mãe, que já não bate bem das ideias, expulsando os dois de casa e obrigando-os a vagar pela floresta.

Com fome, a dupla passa por maus bocados até que encontram uma casa com uma mesa farta e uma senhora acolhedora e muito estranha. Não demora pra Maria perceber que tudo tá bom demais pra ser verdade e perceber a roubada em que se meteram. Ao mesmo tempo, ela descobre mais sobre si mesma do que poderia imaginar.

O roteiro de Rob Heyes é repleto de bons diálogos, principalmente os que envolvem Holda, a bruxa cabulosa vivida por Alice Krige (TERROR EM SILENT HILL), e Maria, aqui interpretada pela Sophia Lillis (IT: A COISA), sempre falando do poder feminino e do mal que os homens exercem sobre as mulheres. A trama gira em torno delas e é praticamente narrada em off pela própria adolescente, algo que pode soar didático em certos momentos, mas, como o texto é bom, pra mim não chegou a ser um incômodo.

Perkins reforça aqui sua capacidade de construir cenas lindas que vão além da beleza estética. É interessante perceber certas dicas visuais – algumas discretas, outras nem tanto – que o diretor nos dá sobre Maria. Vale ficar atento a alguns elementos ao fundo, algumas ilustrações bizarras e até mesmo, em certo momento, uma capa preta nada discreta. Seria essa uma autorreferência ao título do seu primeiro longa (ENVIADA DO MAL)?

Visualmente, MARIA E JOÃO é espetacular. Belo trabalho de Galo Olivares, que trabalhou com Alfonso Cuarón em ROMA. Aqui as cores são chamativas e alternam entre o forte contraste de tons: ora com amarelos e pretos; ora com azul e laranja. Vale destacar também as formas triangulares, as silhuetas e todo design de produção. Da casa da bruxa às árvores na floresta, tudo é muito vistoso e macabro ao mesmo tempo. A trilha sonora tem um papel importante pra toda atmosfera com uma mescla de sussurros, música folk e até sintetizadores que surgem pontualmente dando um ar bizarro e sinistro às cenas.

Apesar dos vários pontos positivos já citados, Perkins acaba não ousando tanto quanto MARIA E JOÃO merecia, visto todo conceito construído durante grande parte do longa. Fica claro que este é o trabalho mais comercial do diretor, levando em conta seus dois longas antecessores que me parecem ser mais fiéis as suas propostas do início ao fim. O fato é que Osgood Perkins é um diretor que vem comendo pelas beiradas e, aos poucos, firmando seu nome no cinema de horror atual.

Bem escrito e dirigido, MARIA E JOÃO tem muitos bons momentos, mas confesso que fiquei frustrado com a falta de um momento realmente catártico. Mesmo assim, para este que vos escreve, este é o melhor filme do gênero até o momento neste ano de 2020 e vale muito a pena, se possível, ser visto na tela do cinema.

Escala de tocância de terror:

Título original: Gretel & Hansel
Direção: Osgood Perkins
Roteiro: Rob Hayes
Elenco: Alice Krige, Sophia Lillis, Samuel Leakey, Charles Babalola
Origem: Canadá, Irlanda, EUA, África do Sul

Anarquista, quase cinéfilo, diretor de arte, fotógrafo, cervejeiro, rockeiro doido e crítico/podcaster do Toca o Terror

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resenhas

RESENHA: A Morte Te Dá Parabéns (2017)

Publicados

em

Morte te Dá Parabens

[Por Felipe Macêdo]

Quem nunca quis ter uma segunda chance e corrigir algo em sua vida? Tree (Jessica Rothe) teve mais de uma chance pra fazer isso. Ela vive, morre e volta para o mesmo dia e não entende o que está acontecendo. A chave para sair desse pesadelo é descobrir quem é o vilão mascarado que a mata diversas vezes e bem no dia do seu aniversário. Essa é a trama do novo filme da Universal Pictures e Blumhouse, uma parceria que rendeu vários frutos como a franquia “Uma Noite de Crime” e o elogiado “Corra!”. A bola da vez é tentar reviver (opa!) os slasher movies, dando uma nova roupagem ao filme “A Morte Te Dá Parabéns”. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Floresta Maldita (2016)

Publicados

em

Floresta Maldita

[Por Geraldo de Fraga]

Sara (Natalie Dormer) descobre que sua irmã gêmea que mora no Japão está desaparecida. E o pior: na última vez em que foi vista, ela estava na floresta Aokigahara, conhecida por ser um lugar onde as pessoas vão para cometer suicídio. Aflita, Sara parte rumo à Terra do Sol Nascente na esperança de ainda encontrá-la viva. (mais…)

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Estranhos em casa (2019)

Publicados

em

"Estranhos em Casa" - poster

Após proveitosa carreira em festivais chegou recentemente à Netflix, “Estranhos em Casa“. Dizem que o roteirista Aurélien Molas se inspirou em uma notícia sobre um casal que emprestou a casa para amigos e, ao retornar de férias em seu trailer, descobriu a casa toda transformada em um tipo de “forte” para impedir sua entrada. E é mais ou menos daí que parte a premissa do filme.

Paul Diallo (Adama Niane), um professor de história do ensino médio, está feliz em voltar para casa das férias de verão com sua família, quando descobre que a babá de seu filho e seu marido, a quem Paul emprestou a casa durante o período em que estariam viajando, se recusam a sair e ainda se declaram inquilinos oficiais de seu imóvel. Paul e sua família são forçados a viver em um estacionamento de trailers enquanto tentam recuperar a casa na justiça. Só que as coisas não correm como deveriam.

Saudades de uma cama quentinha, né, minha filha?

O problema é que o meio-de-campo começa a embolar também para o diretor Olivier Abbou. Apesar de levantar a bola para temas importantes como racismo, ascensão da direita, problemas relacionados a masculinidade, “Estranhos em Casa” começa a entrar em conflito com o próprio discurso. Mostra discriminação racial mas coloca o protagonista, um homem negro, em diversas situações explicitas de submissão. Questiona a participação do Estado na vida das pessoas mas defende o direito da propriedade. Vilaniza o proletariado. Coloca os extremistas como caras legais e descolados… logicamente tudo vai se encaminhar para uma reviravolta, mas quando ela acontece, chega de uma forma simplória e finda deixando um “retrogosto” meio estranho.

Cá entre nós o título americano que colocaram no filme, “Get In”, é pura forçação, hein?

Mas bora falar das boas coisas do filme também… Stéphane Caillard, está ótima no papel de Chloé, a esposa que vive num relacionamento reprimido e cheio de culpa. O bombado Mickey, interpretado por Paul Hamy, também consegue ser um bom vilão (meio forçado no final mas aí é culpa do roteiro) e Adama Niane tem seus altos e baixos mas segura direitinho o protagonismo. O ritmo eficiente da montagem também deve te segurar na poltrona do começo ao fim.

“Tem Amigo Safado Quem Pode”

Ah! Antes que eu me esqueça! O filme tem sido divulgado como “o cão chupando manga“, “um filme que está apavorando o público com cenas sádicas e explícitas” mas não caiam nessa… O cinema francês e a tal da “New French Extremity“, que já nos trouxe obras como “Alta Tensão” e “Mártires“, fazem “Estranhos em Casa” ser tão chocante quanto um episódio de Peppa Pig. Mas isso não é ruim. Eu gosto da porquinha.

Peppa, George, Papai Pig…

Escala de tocância de terror:

Título original: Furie
Diretor: Olivier Abbou
Roteirista: Olivier Abbou e Aurélien Molas
Elenco: Adama Niane, Stéphane Caillard, Paul Hamy

Continue lendo

Trending