conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: A Babá (2017)

Publicados

em

A Babá

[Por Felipe Macedo]

A nostalgia é uma coisa complicada e muito intíma. Por mais que milhões de pessoas tenham vivido aquela época, o que a torna mágica é a forma de como cada um viveu. Em “Stranger Things” por exemplo, por mais que haja um apelo nostálgico universal, o que chama a atenção em cada espectador é a forma de como se lembra das coisas mostradas. No geral, a sensação é saborosa e em outras é o extremo oposto. Dito isso, tenho que dizer que amei o filme “A Babá” (2017) lançado recentemente na Netflix, um longa que divide opiniões e se tornou o típico ame ou odeie.

A trama de “A Babá” segue a rotina de um garoto loser, alvo de bullying e que é apaixonado por sua belíssima babá que o trata como um igual e não como um pivete babaca. Numa determinada noite, seus pais saem para tentar se acertar e mais uma vez ele é deixado sob os cuidados da beldade.

O problema começa quando ele a enrola e não toma a bebida que continha remédios para dormir. Decidido a descobrir o que ela à noite, o garoto acaba vendo mais do que deve. A surpresa se torna um terror quando Bee, sua babá, se revela a líder de um clã teen satanista. Então a noite que prometia ser bem bacana se torna uma luta para sobreviver.

O diretor McG é conhecido por ter realizado o reboot de “As Panteras” (2000). Sendo que de lá pra cá, sua visão de videoclipe cinematográfico continua a mesma coisa. O exagero nos momentos mais “cool” é o que dá a graça do filme. No geral, o longa tem cenas realmente divertidas e sangrentas.

O roteiro de Brian Duffield criou para mim uma nostalgia incrível mesclando “Esqueceram de Mim” (1990) com uma pitada de slashers. Sem falar que “A Babá” como produto de nosso tempo, também pode ser visto como uma divertida crítica sobre o comportamento jovem de hoje em dia.

Como disse antes, o filme me trouxe uma fase muito gostosa da minha infância que além do lado criança e traquino, adorava ver sangue jorrar em filmes e videogames. Não é um filme perfeito, mas pelo menos é um passatempo com uma boa qualidade e de curta duração. Acaba sendo perfeito para aquele domingão de ressaca quando você está jogado na cama sem força para sair dela.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: RESENHA: Casamento Sangrento (2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Náusea Total (1987)

Publicados

em

Náusea Total

O assunto da vez no mundo do entretenimento finalmente fugiu um pouco dos super-heróis mas continuou sendo guiado pela dona da porra toda, a Disney. “Get Back” conta, com imagens inéditas, a história por trás da gravação do clássico álbum “Let it Be” dos Beatles. Mas se você acha que eu vou indicar um documentário sobre música aqui nesse espaço, achou errado.

Minha DICA DA SEMANA aproveita o gancho desse documento histórico e homenageia seu diretor: Peter Jackson. E já que o cara manda muito bem, que tal começar a explorar sua obra lá pelos primórdios, onde já mostrava pro que veio, produzindo, dirigindo, filmando, fazendo os efeitos e atuando.

Náusea Total” (Bad Taste) é uma produção realizada em parceria com um grupo de amigos num intervalo de 4 anos, somente durante os finais de semana, com verba própria (exceto pelo final, que foi bancado pela New Zealand Film Commission, que se mostrou impressionada com o que ele tinha conseguido produzir até então).

O filme se passa na pequena cidade de Kaihoro (que em Maori significa “cidade comida”), onde, pessoas estão desaparecendo. Derek (Peter Jackson) e um grupo de investigadores vai se deparar, assim como em “Invasores de Corpos” (qualquer um deles, vale salientar), com alienígenas que estão tomando a forma dos moradores. Mas o objetivo deles, diferente da maioria dos filmes do gênero, é um pouco peculiar: querem humanos para usar sua carne em uma rede intergalática de fast-food.

Para evitar que esses exploradores espaciais devastem o planeta Terra, o grupo vai travar uma sangrenta batalha com direito ao mais saboroso gore. Um frugal festival de vísceras, cabeças e membros decepados com leves notas de monstros do cabeção pra sommelier nenhum botar defeito! “Náusea Total” tá inteirinho na Net Movies gratuitamente. Boa diversão!

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Abismo do Medo (2005)

Publicados

em

Abismo do Medo

Após um trágico acidente em sua infância, uma garota reúne forças em um grupo de amigas e parte para fazer uma expedição em uma caverna em local bucólico e afastado. Esta é uma história que tinha tudo pra ser inspiradora mostrando a superação de medos e traumas… mas acabou que não foi bem assim. Afinal, estamos falando de “Abismo do Medo” (The Descent), filme de Neil Marshall, que pode ser classificado como um longa de sobrevivência em locais inóspitos.

Como foi dito anteriormente, as garotas estão explorando uma caverna. Todas com EPIs e tomando todas as precauções possíveis para sua segurança. No entanto, após um desabamento, diversas rochas bloqueiam a saída e o grupo precisará encontrar outros caminhos em um verdadeiro labirinto rochoso para sair da montanha onde estão presas.

Pra quem tem claustrofobia, as cenas dão muita agonia com takes fechados, imagens escuras e momentos de muita tensão onde as amigas precisam rastejar, escalar e se esgueirar por fendas no meio de túneis subterrâneos. E como desgraça pouca é bobagem, as cavernas ainda abrigam criaturas grotescas sedentas de sangue e carne que atacam as pobres vítimas na penumbra.

E além de toda tensão e medo possível neste tipo de história, a trama reserva várias DRs das amigas em momentos difíceis quando resgatam antigas rivalidades para complicar ainda a situação. O incômodo é bastante visível na atuação e para quem assiste, mesmo que saibamos que é tudo ficção e que estas cavernas também não são reais.

Abismo do Medo” foi ganhando um status cult no panteão do horror ao longo dos últimos 15 anos. No entanto, seu final ousado e “em aberto” levou produtores a criar uma continuação com uma história ainda bem mais mastigada para que os espectadores pudessem ficar menos aflitos com o destino das personagens. Mas basta ignorar sua existência e focar no original que está no catálogo da Amazon Prime Video para colocar aquela dose de sustos e de adrenalina em seu final de semana.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Abominável Dr. Phibes (1971)

Publicados

em

Dr. Phibes

Quem acompanhou as sessões da CPI da Covid ficou sabendo do escândalo envolvendo a empresa Prevent Senior. Várias matérias foram feitas sobre a operadora de planos de saúde, inclusive sobre o fato de seus proprietários serem membros de bandas de rock.

Uma delas leva o nome Doctor Pheabes, e as reportagens sensacionalistas mostravam que ela era “inspirada em um filme de terror sobre um médico sádico”, fazendo um contraponto com o fato de os caras serem profissionais de saúde. Porra, foda-se a Prevent Senior e deixem O Abominável Dr. Phibes em paz!

O filme dirigido por Robert Fuest e estrelado pelo nosso querido Vincent Price é uma pérola do horror. “Love means never having to say you are ugly“, diz o pôster do filme. Sensacional.

Vamos à sinopse: Dr. Anton Phibes vive recluso, amargurado e com ódio no coração. Primeiro ele ficou desfigurado, após um acidente de carro. Como se isso não bastasse, nosso malvado favorito perdeu a mulher, que morreu durante uma operação. Quanto a isso, Phibes culpa a equipe médica e monta uma vingança contra eles. O plano é uma maravilha. Ele pretende matar um por um dos responsáveis, usando armadilhas e inspiradas nas dez pragas do Egito (!!!).

Vincent Price dá um show nesse filme. Seu personagem, por conta do acidente, perdeu as cordas vocais e fala através de um gramofone plugado na garganta. Assim, o que vemos na tela é um Price fazendo caras e bocas o tempo todo para se expressar. E isso ele faz como ninguém.

Nosso ídolo ainda toca um órgão bizarro, que é uma clara referência ao Fantasma da Ópera, e nos brinda com cenas toscas de dança com sua assistente gata e malvada, Vulnavia (Virginia North). O Abominável Dr. Phibes é Vincent Price em estado bruto. Nenhum fã do cinema pode ficar sem assistir essa pérola. No YouTube tem como assistir a versões legendada e dublada em português.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending