conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: A Babá (2017)

Publicados

em

A Babá

[Por Felipe Macedo]

A nostalgia é uma coisa complicada e muito intíma. Por mais que milhões de pessoas tenham vivido aquela época, o que a torna mágica é a forma de como cada um viveu. Em “Stranger Things” por exemplo, por mais que haja um apelo nostálgico universal, o que chama a atenção em cada espectador é a forma de como se lembra das coisas mostradas. No geral, a sensação é saborosa e em outras é o extremo oposto. Dito isso, tenho que dizer que amei o filme “A Babá” (2017) lançado recentemente na Netflix, um longa que divide opiniões e se tornou o típico ame ou odeie.

A trama de “A Babá” segue a rotina de um garoto loser, alvo de bullying e que é apaixonado por sua belíssima babá que o trata como um igual e não como um pivete babaca. Numa determinada noite, seus pais saem para tentar se acertar e mais uma vez ele é deixado sob os cuidados da beldade.

O problema começa quando ele a enrola e não toma a bebida que continha remédios para dormir. Decidido a descobrir o que ela à noite, o garoto acaba vendo mais do que deve. A surpresa se torna um terror quando Bee, sua babá, se revela a líder de um clã teen satanista. Então a noite que prometia ser bem bacana se torna uma luta para sobreviver.

O diretor McG é conhecido por ter realizado o reboot de “As Panteras” (2000). Sendo que de lá pra cá, sua visão de videoclipe cinematográfico continua a mesma coisa. O exagero nos momentos mais “cool” é o que dá a graça do filme. No geral, o longa tem cenas realmente divertidas e sangrentas.

O roteiro de Brian Duffield criou para mim uma nostalgia incrível mesclando “Esqueceram de Mim” (1990) com uma pitada de slashers. Sem falar que “A Babá” como produto de nosso tempo, também pode ser visto como uma divertida crítica sobre o comportamento jovem de hoje em dia.

Como disse antes, o filme me trouxe uma fase muito gostosa da minha infância que além do lado criança e traquino, adorava ver sangue jorrar em filmes e videogames. Não é um filme perfeito, mas pelo menos é um passatempo com uma boa qualidade e de curta duração. Acaba sendo perfeito para aquele domingão de ressaca quando você está jogado na cama sem força para sair dela.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Pingback: RESENHA: Casamento Sangrento (2019) | Toca o Terror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Dead Mountaineer’s Hotel (1979)

Publicados

em

Dead Mountaineer's Hotel

A polícia recebe uma ligação anônima vinda de um hotel, que fica em uma região montanhosa, praticamente no meio do nada, durante um rigoroso inverno. Eles enviam Glebsky (Uldis Pucitis), o típico detetive sisudo, de cara fechada, poucos amigos e vestido com um sobretudo, para apurar o que teria acontecido.

Chegando lá, o homem se depara com uma galeria de tipos esquisitos, a começar pelo próprio recepcionista. O policial também recebe o carinho de um enorme cão da raça São Bernardo, que foi de um hóspede e alpinista cujo rosto foi pintado em uma das paredes do estabelecimento e que faleceu nas proximidades (daí o título). Por tudo aparentar estar mais do que tranquilo, Glebsky aceita o convite para jantar e passar a noite no local. É quando cai uma avalanche que mantém todos em estado de isolamento forçado e não muito depois, o assassinato de um dos hóspedes.

DEAD MOUNTAINEER’S HOTEL é uma produção da Estônia, lançada enquanto o país se encontrava anexado à U.R.S.S. (a.k.a. União Soviética). Trata-se daquele tipo de longa que, no decorrer de sua narrativa passada em uma única locação, consegue fazer com que o espectador enxergue aquele lugar como uma porta de entrada para um mundo diferente do “normal” e do que acreditamos conhecer. Mas é claro que essa não seria uma história comum de detetives… afinal, o filme está sendo recomendado pelo Toca o Terror!

O personagem principal, inclusive, passa a ter suas crenças e convicções pessoais desafiadas por tudo que vê acontecer ao seu redor. E como é de esperar de alguém com uma visão fechada e limitada como a de um policial (ou a de um fascista mesmo, fique à vontade), ele seguirá o senso comum e essa história termina de forma trágica.

Um porém que melhoraria a experiência seria a revelação do mistério vir antes do 3º ato. O ritmo do filme de Grigori Kromanov melhora consideravelmente após o espectador também ficar sabendo um pouco mais sobre o que raios está acontecendo no hotel. Mas isso não diminui o prazer de ver esse híbrido de gêneros interessante e fora do convencional.

Adaptado de um livro dos Irmãos Strugátski, DEAD MOUNTAINEER’S HOTEL foi roteirizado por esses autores de enorme importância para a literatura de ficção científica. O romance ainda ganharia uma adaptação para jogo de PC em 2011. Vale lembrar que 1979 também veria o lançamento de STALKER, do cineasta Andrei Tarkovski, outro filme roteirizado por eles a partir de “Piquenique na Estrada”, um de seus livros mais famosos.

Atenção para a trilha sonora eletrônica e o aspecto visual do longa, que faz com que ele pareça ter influenciado o que viria a seguir em filmes lançados a partir de “Blade Runner”, embora isso seja muito pouco provável pela dificuldade de um filme vindo da U.R.S.S. em ser comercializado no ocidente durante a Guerra Fria.

DEAD MOUNTAINEER’S HOTEL pode ser assistido no YouTube, o link disponibiliza legendas em inglês.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Transformação (2017)

Publicados

em

Transformação

Para esta semana, trago TRANSFORMAÇÃO (Transfiguration, 2016/17), um filme de vampiro “realista” presente no catálogo da Amazon Prime Video que pode causar incômodo pela sua abordagem nada convencional do tema.

Escrito e dirigido por Michael O’Shea, TRANSFORMAÇÃO nós leva ao subúrbio de Nova York onde acompanhamos a rotina do garoto Milo (Eric Ruffin) que, aficionado por vampiros, basicamente quando não está na sua terapeuta (ou assistente social), passa o dia assistindo filmes ou escrevendo sobre os sanguessugas. Entretanto, tudo muda ao conhecer Sofie (Chole Levine) que desperta sentimentos conflitantes a sua habitual apatia. Mas é claro que não é só isso… sendo que paro por aqui pra não estragar a sua experiência.

A direção de O’Shea é quase documental contando com uma paleta de cores lavada, com cenas longas e muitos poucos cortes. Quando não são closes fechadíssimos nos personagens, são planos longos e à distância dando realmente a impressão de estarmos apenas observando os jovens em seu habitat natural. A violência se faz presente na forma mais crua e cruel possível.

No geral, TRANSFORMAÇÃO é um filme interessante que faz referências diretas a clássicos como MARTIN de George A. Romero, o sueco DEIXE ELA ENTRAR e outros. Certamente esta produção recente pode agradar aos fãs de um horror mais intimista e menos frenético.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Never Hike Alone (2017)

Publicados

em

Never Hike Alone

[Por Felipe Macedo]
A franquia Sexta-Feira 13 é um verdadeiro baluarte do cinema de terror e tem no seu personagem central um ícone da cultura pop. Jason Voorhees estampa camisetas, está em gibis, games e em quase tudo que se possa imaginar. Atualmente, no entanto, a série passa por um hiato forçado devido a uma briga judicial pelos direitos da franquia e personagem. Mas nada disso impediu de uma equipe de cinema e entusiastas da série fazerem sua homenagem em “Never Hike Alone“, um fã-filme que foi bancado por crowdfunding. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay ou em nossa campanha no APOIA.se!

Continue lendo

Trending