conecte-se conosco

Dicas

LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2020)

Publicados

em


Neste final de ano, nossa retrospectiva será diferente. Como se aproxima uma nova década, estamos agora compilando os melhores filmes de terror lançado nos últimos 10 anos. Os integrantes da equipe do Toca o Terror escolheram em votação individual os seus preferidos por ano e aqui chegamos a esta lista com as 20 obras mais importantes do estilo que apreciamos.
Dentre os selecionados, temos duas produções latinas, dois filmes orientais, sete obras de realizadores estreantes e um remake que ganhou os cinemas no mundo. Vale lembrar que estamos considerando o ano de lançamento de cada filme segundo a data cadastrada no IMDB.


TOP 20 – MELHORES FILMES DE TERROR DA DÉCADA (2010 – 2019)

20 – Byzantium: Uma Vida Eterna (Byzantium, 2012)

Direção: Neil Jordan

O longa é adaptado a partir da peça teatral A Vampire Story da escritora Moira Buffini que também assina o roteiro. Com uma direção impecável de ninguém menos que Neil Jordan, Byzantium é tecnicamente muito bem cuidado. O deslumbre visual é um dos pontos fortes desse longa que conta com a bela fotografia de Sean Bobbitt, que nos presenteia com quadros espetaculares. [por Júlio Carvalho]


19 – IT – A Coisa (IT, 2017)

Direção: Andy Muschietti

“It- A Coisa” é um puta filmão! Violento, chocante e, de coração, confesso que o longa não decepciona quem procura uma boa diversão sangrenta e com conteúdo. O elenco está maravilhoso entregando atuações convincentes que vão do terror ao drama de forma natural. Destaco principalmente Bill Skargard, que vive o vilão Pennywise de uma forma realmente assustadora e que convence tanto quanto o icônico palhaço de Tim Curry. [por Felipe Macedo]


18 – A Casa do Fim dos Tempos (La Casa del Fin de Los Tiempos, 2013)

Direção: Alejandro Hidalgo

Em seu longa de estreia, o diretor venezuelano é a personificação do ditado de que o talento supera qualquer adversidade. La Casa Del Fin De Los Tiempos (2013) é uma aula de como fazer cinema fantástico. O longa de Alejandro Hidalgo é o primeiro filme do gênero filmado na Venezuela e fez uma bela bilheteria em seu país. A fita rodou alguns festivais e arrebatou várias críticas positivas por onde passou. [por Geraldo de Fraga]


17 – O Bar Luva Dourada (Der goldene Handschuh, 2019)

Direção: Fatih Akin

O Bar Luva Dourada não é um filme de terror convencional, se é que se pode mesmo chamar de terror. Tampouco é um suspense padrão, embora trate de uma série de assassinatos cometidos na Alemanha durante a década de 1970. Há muito pouco de Hollywood e bastante de vida real aqui, e este é o trunfo maior da história. [por Frederico Toscano]


16 – Tucker e Dale contra o Mal (Tucker and Dale vs Evil, 2010)

Direção: Eli Craig

Divertidíssima comédia canadense sobre um grupo de jovens que vai para uma cabana no meio de uma floresta com o objetivo de festejar como se não houvesse amanhã (local onde ocorreu um grande massacre, segundo as lendas). O clichê dos clichês dos filmes do gênero se completa quando os jovens se deparam com Tucker e Dale, dois caipiras que só querem passar o tempo pescando, tomando cerveja e reformando seu barraco recém comprado, e os confundem com assassinos. A partir daí os dois amigos terão de fugir daqueles que querem matá-los para não serem mortos. [por Jota Bosco]


15 – O Homem nas Trevas (Don’t Breathe, 2016)

Direção: Fede Alvarez

O tom do filme se torna extremamente claustrofóbico e os todos os atores se saem bem em demonstrar o terror e o desespero de seus personagens em uma casa que parece um labirinto sem saída. O personagem de Stephen Lang tem uma presença física incrível e suas poucas falas só ajudam dar mais crueldade à trama. [por Jarmeson de Lima e Felipe Macedo]


14 – Predadores Assassinos (Crawl, 2019)

Direção: Alexandre Aja

Em seus menos de 90 minutos de duração, PREDADORES ASSASSINOS agrada bastante. O filme é uma boa mistura de ‘terror de sobrevivência’ e ‘filme catástrofe’ com ótimos efeitos, atuações acima da média e cenas onde a violência gráfica é muito bem dosada por Aja. [por Osvaldo Neto]


13 – Corrente do Mal (It Follows, 2014)

Direção: David Robert Mitchell

Um ponto positivo do filme vem do estilo voyeurístico empregado na câmera e em seus zooms para nos envolver com a trama e criar um clima de tensão. Já vimos câmeras subjetivas assim várias vezes no cinema de gênero, mas o bom é que em “It Follows” você também não tem certeza do que ou quem está vendo o quê. [por Jarmeson de Lima]


12 – A Perfeição (The Perfection, 2018)

Direção: Richard Shepard

É uma trama que nos leva a caminhos sinuosos, cheio de curvas e armadilhas. A produção é até bem acima da média do que se costuma ter na Netflix. O elenco escalado ajuda bastante no crescimento do longa. Não tenho do que reclamar. Sustenta com vigor e convence. [por Tati Regis]


11 – Kill List (2011)

Direção: Ben Wheatley

Oito meses após um trabalho desastroso em Kiev, Um mercenário é pressionado por seu antigo parceiro a assumir uma nova missão: assassinar três pessoas. Ao descer para um mundo bizarro e perturbador que envolve o trabalho a ser feito, o já sequelado assassino de aluguel começa a ser engolido pelo medo e a paranóia e terminará chegando a um ponto de onde não há retorno. Um incômodo filme britânico com clima de tensão crescente que vai fazer você ficar grudado no sofá até o último segundo. [por Jota Bosco]


10 – Rastro de Maldade (Bone Tomahawk, 2015)

Direção: S. Craig Zahler


Bone Tomahawk mostra pouco, mas mostra “bonito”. É verdade que não é um festival de gore gratuito como no fraquíssimo Canibais de Eli Roth, mas choca muito mais. A violência visual não se resume apenas a cenas de mutilação, mas tem também certas visões perturbadoras como as das mulheres do clã de canibais. [por Júlio Carvalho]


9 – Nós (Us, 2019)

Direção: Jordan Peele

“Nós” tenta retratar bem nossa atual realidade. Sua mensagem é universal nesses tempos sombrios que vivemos onde não estamos imunes a situações de caos e violência. Mas se você quiser pular todas as mensagens que o filme passa e ter uma experiência totalmente escapista, o filme também funciona e entrega tensão e bons sustos. [por Felipe Macedo]


8 – Mandy: Sede de Vingança (Mandy, 2018)

Direção: Panos Cosmatos

O diretor nos concebe um filme que é um verdadeiro alucinógeno cinematográfico no qual o áudio e o visual servem para entorpecer o espectador a cada segundo. O cara sabe tanto o que tá fazendo, que todo o lance “viajado” não compromete a estrutura narrativa e nem o ritmo da produção. [por Júlio Carvalho]


7 – A Enviada do Mal (February/The Blackcoat’s Daughter, 2015)

Direção: Oz Perkins

O mistério é a grande força de February. O fato é que não estamos diante de um filme fácil. Não há diálogos expositivos aqui. Tudo é na base da sugestão onde praticamente todas as cenas tem uma função narrativa e dizem muito sobre cada personagem. [por Júlio Carvalho]


6 – O Babadook (The Babadook, 2014)

Direção: Jennifer Kent

Como em qualquer produção do gênero, a presença sobrenatural é primeiramente tratada como um problema psicológico da criança, mas logo a mãe vai ficando desconfiada de que nem tudo é imaginação. Clichês à parte, o que chama a atenção é que a transformação pela qual a protagonista vai passando é desenvolvida com maestria por Essie Davis. [por Geraldo de Fraga]


5 – Invasão Zumbi (Train to Busan/Busanhaeng, 2016)

Direção: Sang-ho Yeon

Seu roteiro é enxuto, convincente e com diálogos certeiros. Sua direção é competente e nos entrega ótimas sequências de ação, suspense, bons sustos e até um drama eficiente. Vale ressaltar que não é do tipo de filme de terror que dá medo, mas do tipo que cria muita tensão. [por Júlio Carvalho]


4 – Aterrorizados (Aterrados, 2017)

Direção: Demián Rugna

Um belo trunfo de Aterrorizados é focar nos efeitos práticos, até na hora dos jump scares. Tudo é muito mais realista do que certas produções hollywoodianas. O filme de Demián Rugna é uma obra que oxigena o gênero ‘poltergeist’ como nenhuma outra conseguiu recentemente. [por Geraldo de Fraga]


3 – A Bruxa (The VVitch, 2015)

Direção: Robert Eggers

A Bruxa não tem personagens descartáveis e conta com atuações competentes de todo o elenco. Thomasin, que pode ser apontada como a principal protagonista, encarna com louvor a figura de injustiçada, remetendo aos julgamentos de mulheres durante a inquisição. [por Geraldo de Fraga]


2 – Hereditário (Hereditary, 2018)

Direção: Ari Aster

Hereditário é um ótimo filme, com personalidade própria e que marca seu território em um campo que vem sendo dominado pelo jumpscare fácil ou pelos clichês de gênero. Denso, perturbador, misterioso, iconoclasta e macabro. Depois que você descobre a trama, logo começa a respirar do mesmo medo que os personagens da história. [por Jarmeson de Lima]


1 – Eu vi o Diabo (I Saw the Devil/Ang-ma-reul bo-at-da, 2010)

Direção: Jee-woon Kim

Em uma noite de neve intensa, um homem se oferece para ajudar a trocar o pneu do carro de uma jovem na beira de uma estrada e termina por espancar, assassinar e esquartejar a vítima. Só que a jovem era a noiva de um agente do serviço secreto que, a partir dessa tragédia, decide que seu objetivo de vida será capturar, merendar o psicopata na porrada e depois soltá-lo, apenas para começar novamente esse ciclo ad infinitum…
Filme que eleva à enésima potência uma coisa já revisitada em vários filmes do gênero: Faça tudo mas não pise no calo de um sul-coreano. Eles são extremamente vingativos!
[por Jota Bosco]



LISTAS INDIVIDUAIS – EQUIPE DO TOCA O TERROR

* FELIPE MACEDO

(Terror nos Bastidores / The Final Girls)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Perigo em Alto Mar / The Reef (2010)
Bedevilled (2010)
Pânico 4 / Scream 4 (2011)
Kill List (2011)
Juan dos Mortos / Juan de Los Muertos (2011)
The Bay (2012)
O Colecionador de Corpos / The Collection (2012)
A Mulher de Preto / The Woman in Black (2012)
A Maldição de Chucky / Curse of Chucky (2013)
A Morte do Demônio / Evil Dead (2013)
Bad Milo! (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Olhos de Estrela / Starry Eyes (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
O Pesadelo / The Nightmare (2015)
Terror nos Bastidores / The Final Girls (2015)
A Sombra do Medo / Under the Shadow (2016)
Hush: A Morte Ouve / Hush (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Medo Profundo / 47 Meters Down (2017)
Plano Sequência dos Mortos / One Cut of the Dead (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Um Lugar Silencioso / A Quiet Place (2018)
Megatubarão / The Meg (2018)
Nós / Us (2019)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Haunt (2019)



* GERALDO DE FRAGA

(O Caçador de Trolls / Trolljegeren)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Confissões / Kokuhaku (2010)
O Caçador de Trolls / Trolljegeren (2010)
Juan dos Mortos / Juan de Los Muertos (2011)
O Segredo da Cabana / The Cabin in the Woods (2011)
A Pele Que Habito / La piel que habito (2011)
Acorrentados / Chained (2012)
V/H/S (2012)
The Bay (2012)
As Bruxas de Zugarramurdi / Las brujas de Zugarramurdi (2013)
Mar Negro (2013)
Amantes Eternos / Only Lovers Left Alive (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
O Que Fazemos nas Sombras / What We Do in the Shadows (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Sombra do Medo / Under the Shadow (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Fragmentado / Split (2016)
IT – A Coisa / IT (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Corra! / Get Out (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Um Lugar Silencioso / A Quiet Place (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
Nós / Us (2019)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
O Farol / The Lighthouse (2019)



* JARMESON DE LIMA

(Quando Eu Era Vivo)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Cisne Negro / Black Swan (2010)
Você é o Próximo / You’re Next (2011)
Ataque ao Prédio / Attack the Block (2011)
Livide (2011)
Byzantium: Uma Vida Eterna / Byzantium (2012)
V/H/S (2012)
Berberian Sound Studio (2012)
Infectado / Afflicted (2013)
The Den (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
Quando Eu Era Vivo (2014)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Visita / The Visit (2015)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
A Autópsia / The Autopsy of Jane Doe (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Rua Cloverfield, 10 / 10 Cloverfield Lane (2016)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Mãe! / Mother! (2017)
IT – A Coisa / IT (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
A Perfeição / The Perfection (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
O Farol / The Lighthouse (2019)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
Midsommar – O Mal Não Espera a Noite / Midsommar (2019)



* JOTA BOSCO

(Creep)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Cold Fish (2010)
O Caçador de Trolls / Trolljegeren (2010)
The Woman – Nem Todo Monstro Vive na Selva / The Woman (2011)
Ataque ao Prédio / Attack the Block (2011)
A Pele Que Habito / La piel que habito (2011)
Acorrentados / Chained (2012)
Stitches: O Retorno do Palhaço Assassino / Stitches (2012)
American Mary (2012)
As Bruxas de Zugarramurdi / Las brujas de Zugarramurdi (2013)
Invocação do Mal / The Conjuring (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
Olhos de Estrela / Starry Eyes (2014)
O Babadook / The Babadook (2014)
Creep (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
A Enviada do Mal / February (2015)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
O Homem nas Trevas / Don’t Breathe (2016)
Rua Cloverfield, 10 / 10 Cloverfield Lane (2016)
IT – A Coisa / IT (2017)
O Sacrifício do Cervo Sagrado / The Killing of a Sacred Deer (2017)
Corra! / Get Out (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
Nós / Us (2019)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Menções honrosas:
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Kill List (2011)
Berberian Sound Studio (2012)
Mar Negro (2013)
O Que Fazemos nas Sombras / What We Do in the Shadows (2014)
Sala Verde / Green Room (2015)
Hush: A Morte Ouve / Hush (2016)
Pazúcus: A Ilha do Desarrego (2017)
A Perfeição / The Perfection (2018)



* JÚLIO CARVALHO

(Confissões / Confessions / Kokuhaku)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Bedevilled (2010)
Confissões / Confessions / Kokuhaku (2010)
Kill List (2011)
Culpada por Romance / Koi no tsumi (2011)
Eu sou um Fantasma / I Am a Ghost (2012)
Byzantium: Uma Vida Eterna / Byzantium (2012)
O Maníaco / Maniac (2012)
Rigor Mortis / Goeng See (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
Miss Zombie (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Fatal Frame / Gekijô-ban: Zero (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
Grave / Raw (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
A Seita Maligna / The Void (2016)
As Boas Maneiras (2017)
O Rastro (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Morto Não Fala (2018)
Nós / Us (2019)



* OSVALDO

(As Fábulas Negras)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Kill List (2011)
Enquanto Você Dorme / Mientras duermes (2011)
Pesadelos do Passado / The Pact (2012)
Excision (2012)
Resolution (2012)
Sob a Pele / Under the Skin (2013)
The Den (2013)
No One Lives (2013)
Quando Eu Era Vivo (2014)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
As Fábulas Negras (2015)
O Lamento / The Wailing (2016)
O Homem nas Trevas / Don’t Breathe (2016)
A Seita Maligna / The Void (2016)
Happy Hunting (2017)
Plano Sequência dos Mortos / One Cut of the Dead (2017)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Hereditário / Hereditary (2018)
Morto Não Fala (2018)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Menções honrosas:
Rubber, O Pneu Assassino / Rubber (2010)
O Hóspede / The Guest (2014)
Aprisionados / Let us Prey (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Vida / Life (2017)
As Boas Maneiras (2017)
Brinquedo Assassino / Child’s Play (2019)
Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro / Scary Stories to Tell in the Dark (2019)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Maniac Cop – O Exterminador (1988)

Publicados

em

Maniac Cop

Que os anos 80 foram o “boom” dos slashers não é novidade nenhuma. Brutamontes assassinos com força sobrenatural e praticamente à prova de balas fizeram a alegria dos fãs do gênero durante a década dos mullets e casacos com ombreira. Mas com o passar do tempo a galinha dos ovos de ouro dos estúdios começou a mostrar cansaço.

Foi quando realizadores como Larry Cohen (que escreveu e dirigiu clássicos como “Nasce um Monstro“) e William Lustig (diretor do excelente “O Maníaco“, que viria a ter uma ótima refilmagem protagonizada por Elijah Wood, em 2012) resolveram tirar esses assassinos dos acampamentos de verão e trouxeram para a cidade grande, dando um tom de “realidade” aos filmes do subgênero.

Maniac Cop vem de uma Nova York decadente e violenta, onde uma jovem garçonete é assassinada. As testemunhas, que minutos antes do ocorrido estavam tentando assaltar a moça, apontam a autoria para um homem-da-lei. O único que aparentemente leva a sério a denúncia é o detetive Frank McCrae (o grande Tom Atkins, de “Night of the Creeps” e outros filmaços) que em sua busca por um policial com problemas psicológicos, acaba esbarrando em Jack Forrest (Bruce Campbell, que dispensa apresentações) que está sendo acusado de matar sua esposa. Para o departamento de polícia, o assassino serial foi encontrado, mas para McCrae e Theresa Mallory (Laurene Landon), a amante de Jack e também policial, a investigação está apenas começando.

Sabemos que Jack é inocente mas quem diabos está realmente matando transeuntes na Grande Maçã? A resposta vem em forma de um policial lendário chamado Matt Cordell (Robert Z’Dar, figura com traços marcantes que interpretou vários vilões) que caiu numa emboscada e acabou sendo preso após denunciar um esquema mafioso que chegaria até o prefeito da cidade. No presídio, sofre um ataque enquanto tomava banho e apesar da ajuda do médico da instituição e de sua então namorada, ele é declarado oficialmente morto. Mas Cordell “volta dos mortos” e começa sua vingança (de um jeito meio cagado, vale salientar…).

Um filme de ação policial (outro gênero que fez muito sucesso nos anos 70 e 80) misturado com horror (com direito a uma boa quantidade de sangue), fazem de Maniac Cop um ótimo exemplar de slasher que alia diversão com crítica social ao mostrar as consequências geradas graças a um sistema corrupto e uma polícia que não “serve e protege” como deveria.

Ah! O sucesso de Maniac Cop rendeu duas sequências inferiores mas que também garantem boa diversão com um Cordell ficando cada vez mais sobrenatural e invencível. Mas deixando as filiais e voltando à matriz… cá entre nós, tem como não resistir e não ver (ou rever) um filme com Tom Atkins, Bruce “Ash” Campbell, Robert Z’Dar e pontinhas de Richard Roundtree (O “Shaft”, porra!), do diretor William Lustig e de Sam Raimi? Não, né? CLICA AQUI e assiste!

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Children Shouldn’t Play with Dead Things (1972)

Publicados

em

Children Shouldn't Play with Dead Things

Fruto de um período anárquico no cinema, onde realizadores independentes pegavam qualquer orçamento pra filmar o que queriam, “Children Shouldn’t Play With Dead Things” toma emprestado um pouco desse espírito e o contexto de contracultura hippie ainda remanescente. Isso se vê claramente no visual da turma que aparece neste longa com suas roupas coloridas, adereços e papos viajados.

É com uma conversa mole prometendo diversão exótica e uma festa diferente que vemos uma galera sem noção ir até uma ilha remota para realizar um ritual macabro. Sim, exatamente isso! Eles estão indo passar a noite em uma região isolada que, não por acaso, possui um cemitério abandonado (!). Seria o típico lugar ideal (só que não) para essa trupe se divertir com o sobrenatural sem maiores consequências até a hora em que forças ocultas resolvem agir.

Tirando uma coisa e outra, até parece algo comum pra quem se acostumou com várias obras de terror, mas “Children Shouldn’t Play With Dead Things” é tão bagaceiro que custa a lembrar que ele veio ANTES de tanta tranqueira parecida na seara de filmes de zumbis e em cabanas. É possível ver paralelos dele nas obras de horror italiano no aspecto grotesco e até em “The Evil Dead” com aquele negócio de pegar um livro de magia e despertar “sem querer” uma maldição com seres do além.

Mas calma… até aparecerem os mortos-vivos atacando os incautos, a história traz toda uma enrolação apresentando a conjuração satânica, pegadinhas com os personagens e profanação de cadáveres em tom de “brincadeira”. Isso tudo naquele clima de cinema exploitation onde o que vemos não é bem levado a sério por conta da atuação limitada e da canastrice dos atores, o que pode configurar um charme a mais pra esta produção orçada em menos de 70 mil dólares e filmada em poucos dias.

Children Shouldn’t Play With Dead Things” não chegou a ser lançado oficialmente por aqui, mas está no YouTube assim como muita coisa que merece ser (re)descoberta pelos fãs do gênero. Uma última coisa que merece ser mencionada é que este foi o segundo longa do diretor Bob Clark (que ainda assinava como Benjamin Clark), o mesmo que realizou “Noite de Terror” (Black Christmas), a saga “Porky’s” e “Bebês Geniais“.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: REC (2007)

Publicados

em

Found Footage é um tipo de produção que divide opiniões desde que A Bruxa de Blair estourou, lá em 1999. O estilo “câmera na mão” virou febre durante bons anos, até mesmo porque se mostrou uma forma muito mais barata de se realizar um filme. Quem é fã de horror sabe da enxurrada de longas desse estilo que inundou o cinema de gênero.

Na minha humilde opinião, a esmagadora maioria pode colocar num saco e jogar no lixo. Por outro lado, alguns se mostraram bons produtos, e uns poucos se transformaram em filmes essenciais, até considerados clássicos modernos.

Um desses exemplos é REC, dirigido por Jaume Balagueró e Paco Plaza. Olhando para ele hoje em dia, a mistura Found Footage + zumbis/infectados pode não parecer tão atraente, mas lá em 2007, o filme fez muita gente cagar nas calças e recolocou a Espanha no mapa do terror mundial.

O enredo é simples. Acompanhamos uma equipe de reportagem (uma repórter e um cinegrafista) que gravam um programa específico sobre profissionais que trabalham à noite. Um belo dia, enquanto filmam a rotina do corpo de bombeiros de Barcelona, os dois acompanham o batalhão em um chamado de emergência.

Chegando ao local, eles se deparam com uma infecção que deixa as pessoas descontroladas e agressivas. Quando o prédio é colocado em quarentena, o bicho pega. O fato de o filme se passar praticamente em um cenário, aliado ao estilo “câmera da mão”, dá uma sensação única de claustrofobia. O ritmo acelerado é perfeito e tem uma boa reviravolta no fim (algo que as continuações estragaram).

Está disponível de graça na Pluto TV. Vá sem medo.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending