conecte-se conosco

Dicas

LISTA: Top 20 – Melhores filmes da década (2010-2020)

Publicados

em


Neste final de ano, nossa retrospectiva será diferente. Como se aproxima uma nova década, estamos agora compilando os melhores filmes de terror lançado nos últimos 10 anos. Os integrantes da equipe do Toca o Terror escolheram em votação individual os seus preferidos por ano e aqui chegamos a esta lista com as 20 obras mais importantes do estilo que apreciamos.
Dentre os selecionados, temos duas produções latinas, dois filmes orientais, sete obras de realizadores estreantes e um remake que ganhou os cinemas no mundo. Vale lembrar que estamos considerando o ano de lançamento de cada filme segundo a data cadastrada no IMDB.


TOP 20 – MELHORES FILMES DE TERROR DA DÉCADA (2010 – 2019)

20 – Byzantium: Uma Vida Eterna (Byzantium, 2012)

Direção: Neil Jordan

O longa é adaptado a partir da peça teatral A Vampire Story da escritora Moira Buffini que também assina o roteiro. Com uma direção impecável de ninguém menos que Neil Jordan, Byzantium é tecnicamente muito bem cuidado. O deslumbre visual é um dos pontos fortes desse longa que conta com a bela fotografia de Sean Bobbitt, que nos presenteia com quadros espetaculares. [por Júlio Carvalho]


19 – IT – A Coisa (IT, 2017)

Direção: Andy Muschietti

“It- A Coisa” é um puta filmão! Violento, chocante e, de coração, confesso que o longa não decepciona quem procura uma boa diversão sangrenta e com conteúdo. O elenco está maravilhoso entregando atuações convincentes que vão do terror ao drama de forma natural. Destaco principalmente Bill Skargard, que vive o vilão Pennywise de uma forma realmente assustadora e que convence tanto quanto o icônico palhaço de Tim Curry. [por Felipe Macedo]


18 – A Casa do Fim dos Tempos (La Casa del Fin de Los Tiempos, 2013)

Direção: Alejandro Hidalgo

Em seu longa de estreia, o diretor venezuelano é a personificação do ditado de que o talento supera qualquer adversidade. La Casa Del Fin De Los Tiempos (2013) é uma aula de como fazer cinema fantástico. O longa de Alejandro Hidalgo é o primeiro filme do gênero filmado na Venezuela e fez uma bela bilheteria em seu país. A fita rodou alguns festivais e arrebatou várias críticas positivas por onde passou. [por Geraldo de Fraga]


17 – O Bar Luva Dourada (Der goldene Handschuh, 2019)

Direção: Fatih Akin

O Bar Luva Dourada não é um filme de terror convencional, se é que se pode mesmo chamar de terror. Tampouco é um suspense padrão, embora trate de uma série de assassinatos cometidos na Alemanha durante a década de 1970. Há muito pouco de Hollywood e bastante de vida real aqui, e este é o trunfo maior da história. [por Frederico Toscano]


16 – Tucker e Dale contra o Mal (Tucker and Dale vs Evil, 2010)

Direção: Eli Craig

Divertidíssima comédia canadense sobre um grupo de jovens que vai para uma cabana no meio de uma floresta com o objetivo de festejar como se não houvesse amanhã (local onde ocorreu um grande massacre, segundo as lendas). O clichê dos clichês dos filmes do gênero se completa quando os jovens se deparam com Tucker e Dale, dois caipiras que só querem passar o tempo pescando, tomando cerveja e reformando seu barraco recém comprado, e os confundem com assassinos. A partir daí os dois amigos terão de fugir daqueles que querem matá-los para não serem mortos. [por Jota Bosco]


15 – O Homem nas Trevas (Don’t Breathe, 2016)

Direção: Fede Alvarez

O tom do filme se torna extremamente claustrofóbico e os todos os atores se saem bem em demonstrar o terror e o desespero de seus personagens em uma casa que parece um labirinto sem saída. O personagem de Stephen Lang tem uma presença física incrível e suas poucas falas só ajudam dar mais crueldade à trama. [por Jarmeson de Lima e Felipe Macedo]


14 – Predadores Assassinos (Crawl, 2019)

Direção: Alexandre Aja

Em seus menos de 90 minutos de duração, PREDADORES ASSASSINOS agrada bastante. O filme é uma boa mistura de ‘terror de sobrevivência’ e ‘filme catástrofe’ com ótimos efeitos, atuações acima da média e cenas onde a violência gráfica é muito bem dosada por Aja. [por Osvaldo Neto]


13 – Corrente do Mal (It Follows, 2014)

Direção: David Robert Mitchell

Um ponto positivo do filme vem do estilo voyeurístico empregado na câmera e em seus zooms para nos envolver com a trama e criar um clima de tensão. Já vimos câmeras subjetivas assim várias vezes no cinema de gênero, mas o bom é que em “It Follows” você também não tem certeza do que ou quem está vendo o quê. [por Jarmeson de Lima]


12 – A Perfeição (The Perfection, 2018)

Direção: Richard Shepard

É uma trama que nos leva a caminhos sinuosos, cheio de curvas e armadilhas. A produção é até bem acima da média do que se costuma ter na Netflix. O elenco escalado ajuda bastante no crescimento do longa. Não tenho do que reclamar. Sustenta com vigor e convence. [por Tati Regis]


11 – Kill List (2011)

Direção: Ben Wheatley

Oito meses após um trabalho desastroso em Kiev, Um mercenário é pressionado por seu antigo parceiro a assumir uma nova missão: assassinar três pessoas. Ao descer para um mundo bizarro e perturbador que envolve o trabalho a ser feito, o já sequelado assassino de aluguel começa a ser engolido pelo medo e a paranóia e terminará chegando a um ponto de onde não há retorno. Um incômodo filme britânico com clima de tensão crescente que vai fazer você ficar grudado no sofá até o último segundo. [por Jota Bosco]


10 – Rastro de Maldade (Bone Tomahawk, 2015)

Direção: S. Craig Zahler


Bone Tomahawk mostra pouco, mas mostra “bonito”. É verdade que não é um festival de gore gratuito como no fraquíssimo Canibais de Eli Roth, mas choca muito mais. A violência visual não se resume apenas a cenas de mutilação, mas tem também certas visões perturbadoras como as das mulheres do clã de canibais. [por Júlio Carvalho]


9 – Nós (Us, 2019)

Direção: Jordan Peele

“Nós” tenta retratar bem nossa atual realidade. Sua mensagem é universal nesses tempos sombrios que vivemos onde não estamos imunes a situações de caos e violência. Mas se você quiser pular todas as mensagens que o filme passa e ter uma experiência totalmente escapista, o filme também funciona e entrega tensão e bons sustos. [por Felipe Macedo]


8 – Mandy: Sede de Vingança (Mandy, 2018)

Direção: Panos Cosmatos

O diretor nos concebe um filme que é um verdadeiro alucinógeno cinematográfico no qual o áudio e o visual servem para entorpecer o espectador a cada segundo. O cara sabe tanto o que tá fazendo, que todo o lance “viajado” não compromete a estrutura narrativa e nem o ritmo da produção. [por Júlio Carvalho]


7 – A Enviada do Mal (February/The Blackcoat’s Daughter, 2015)

Direção: Oz Perkins

O mistério é a grande força de February. O fato é que não estamos diante de um filme fácil. Não há diálogos expositivos aqui. Tudo é na base da sugestão onde praticamente todas as cenas tem uma função narrativa e dizem muito sobre cada personagem. [por Júlio Carvalho]


6 – O Babadook (The Babadook, 2014)

Direção: Jennifer Kent

Como em qualquer produção do gênero, a presença sobrenatural é primeiramente tratada como um problema psicológico da criança, mas logo a mãe vai ficando desconfiada de que nem tudo é imaginação. Clichês à parte, o que chama a atenção é que a transformação pela qual a protagonista vai passando é desenvolvida com maestria por Essie Davis. [por Geraldo de Fraga]


5 – Invasão Zumbi (Train to Busan/Busanhaeng, 2016)

Direção: Sang-ho Yeon

Seu roteiro é enxuto, convincente e com diálogos certeiros. Sua direção é competente e nos entrega ótimas sequências de ação, suspense, bons sustos e até um drama eficiente. Vale ressaltar que não é do tipo de filme de terror que dá medo, mas do tipo que cria muita tensão. [por Júlio Carvalho]


4 – Aterrorizados (Aterrados, 2017)

Direção: Demián Rugna

Um belo trunfo de Aterrorizados é focar nos efeitos práticos, até na hora dos jump scares. Tudo é muito mais realista do que certas produções hollywoodianas. O filme de Demián Rugna é uma obra que oxigena o gênero ‘poltergeist’ como nenhuma outra conseguiu recentemente. [por Geraldo de Fraga]


3 – A Bruxa (The VVitch, 2015)

Direção: Robert Eggers

A Bruxa não tem personagens descartáveis e conta com atuações competentes de todo o elenco. Thomasin, que pode ser apontada como a principal protagonista, encarna com louvor a figura de injustiçada, remetendo aos julgamentos de mulheres durante a inquisição. [por Geraldo de Fraga]


2 – Hereditário (Hereditary, 2018)

Direção: Ari Aster

Hereditário é um ótimo filme, com personalidade própria e que marca seu território em um campo que vem sendo dominado pelo jumpscare fácil ou pelos clichês de gênero. Denso, perturbador, misterioso, iconoclasta e macabro. Depois que você descobre a trama, logo começa a respirar do mesmo medo que os personagens da história. [por Jarmeson de Lima]


1 – Eu vi o Diabo (I Saw the Devil/Ang-ma-reul bo-at-da, 2010)

Direção: Jee-woon Kim

Em uma noite de neve intensa, um homem se oferece para ajudar a trocar o pneu do carro de uma jovem na beira de uma estrada e termina por espancar, assassinar e esquartejar a vítima. Só que a jovem era a noiva de um agente do serviço secreto que, a partir dessa tragédia, decide que seu objetivo de vida será capturar, merendar o psicopata na porrada e depois soltá-lo, apenas para começar novamente esse ciclo ad infinitum…
Filme que eleva à enésima potência uma coisa já revisitada em vários filmes do gênero: Faça tudo mas não pise no calo de um sul-coreano. Eles são extremamente vingativos!
[por Jota Bosco]



LISTAS INDIVIDUAIS – EQUIPE DO TOCA O TERROR

* FELIPE MACEDO

(Terror nos Bastidores / The Final Girls)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Perigo em Alto Mar / The Reef (2010)
Bedevilled (2010)
Pânico 4 / Scream 4 (2011)
Kill List (2011)
Juan dos Mortos / Juan de Los Muertos (2011)
The Bay (2012)
O Colecionador de Corpos / The Collection (2012)
A Mulher de Preto / The Woman in Black (2012)
A Maldição de Chucky / Curse of Chucky (2013)
A Morte do Demônio / Evil Dead (2013)
Bad Milo! (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Olhos de Estrela / Starry Eyes (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
O Pesadelo / The Nightmare (2015)
Terror nos Bastidores / The Final Girls (2015)
A Sombra do Medo / Under the Shadow (2016)
Hush: A Morte Ouve / Hush (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Medo Profundo / 47 Meters Down (2017)
Plano Sequência dos Mortos / One Cut of the Dead (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Um Lugar Silencioso / A Quiet Place (2018)
Megatubarão / The Meg (2018)
Nós / Us (2019)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Haunt (2019)



* GERALDO DE FRAGA

(O Caçador de Trolls / Trolljegeren)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Confissões / Kokuhaku (2010)
O Caçador de Trolls / Trolljegeren (2010)
Juan dos Mortos / Juan de Los Muertos (2011)
O Segredo da Cabana / The Cabin in the Woods (2011)
A Pele Que Habito / La piel que habito (2011)
Acorrentados / Chained (2012)
V/H/S (2012)
The Bay (2012)
As Bruxas de Zugarramurdi / Las brujas de Zugarramurdi (2013)
Mar Negro (2013)
Amantes Eternos / Only Lovers Left Alive (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
O Que Fazemos nas Sombras / What We Do in the Shadows (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Sombra do Medo / Under the Shadow (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Fragmentado / Split (2016)
IT – A Coisa / IT (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Corra! / Get Out (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Um Lugar Silencioso / A Quiet Place (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
Nós / Us (2019)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
O Farol / The Lighthouse (2019)



* JARMESON DE LIMA

(Quando Eu Era Vivo)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Cisne Negro / Black Swan (2010)
Você é o Próximo / You’re Next (2011)
Ataque ao Prédio / Attack the Block (2011)
Livide (2011)
Byzantium: Uma Vida Eterna / Byzantium (2012)
V/H/S (2012)
Berberian Sound Studio (2012)
Infectado / Afflicted (2013)
The Den (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
Quando Eu Era Vivo (2014)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Visita / The Visit (2015)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
A Autópsia / The Autopsy of Jane Doe (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Rua Cloverfield, 10 / 10 Cloverfield Lane (2016)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Mãe! / Mother! (2017)
IT – A Coisa / IT (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
A Perfeição / The Perfection (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
O Farol / The Lighthouse (2019)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
Midsommar – O Mal Não Espera a Noite / Midsommar (2019)



* JOTA BOSCO

(Creep)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Cold Fish (2010)
O Caçador de Trolls / Trolljegeren (2010)
The Woman – Nem Todo Monstro Vive na Selva / The Woman (2011)
Ataque ao Prédio / Attack the Block (2011)
A Pele Que Habito / La piel que habito (2011)
Acorrentados / Chained (2012)
Stitches: O Retorno do Palhaço Assassino / Stitches (2012)
American Mary (2012)
As Bruxas de Zugarramurdi / Las brujas de Zugarramurdi (2013)
Invocação do Mal / The Conjuring (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
Olhos de Estrela / Starry Eyes (2014)
O Babadook / The Babadook (2014)
Creep (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
A Enviada do Mal / February (2015)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
O Homem nas Trevas / Don’t Breathe (2016)
Rua Cloverfield, 10 / 10 Cloverfield Lane (2016)
IT – A Coisa / IT (2017)
O Sacrifício do Cervo Sagrado / The Killing of a Sacred Deer (2017)
Corra! / Get Out (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
O Bar Luva Dourada / Der goldene Handschuh (2019)
Nós / Us (2019)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Menções honrosas:
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Kill List (2011)
Berberian Sound Studio (2012)
Mar Negro (2013)
O Que Fazemos nas Sombras / What We Do in the Shadows (2014)
Sala Verde / Green Room (2015)
Hush: A Morte Ouve / Hush (2016)
Pazúcus: A Ilha do Desarrego (2017)
A Perfeição / The Perfection (2018)



* JÚLIO CARVALHO

(Confissões / Confessions / Kokuhaku)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Bedevilled (2010)
Confissões / Confessions / Kokuhaku (2010)
Kill List (2011)
Culpada por Romance / Koi no tsumi (2011)
Eu sou um Fantasma / I Am a Ghost (2012)
Byzantium: Uma Vida Eterna / Byzantium (2012)
O Maníaco / Maniac (2012)
Rigor Mortis / Goeng See (2013)
A Casa do Fim dos Tempos / La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)
Miss Zombie (2013)
O Babadook / The Babadook (2014)
Fatal Frame / Gekijô-ban: Zero (2014)
Corrente do Mal / It Follows (2014)
A Enviada do Mal / February (2015)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
Grave / Raw (2016)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
A Seita Maligna / The Void (2016)
As Boas Maneiras (2017)
O Rastro (2017)
Aterrorizados / Aterrados (2017)
Hereditário / Hereditary (2018)
Suspiria: A Dança do Medo / Suspiria (2018)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Morto Não Fala (2018)
Nós / Us (2019)



* OSVALDO

(As Fábulas Negras)
MELHORES DA DÉCADA
Eu vi o Diabo / I Saw the Devil (2010)
Tucker e Dale contra o Mal / Tucker and Dale vs Evil (2010)
Kill List (2011)
Enquanto Você Dorme / Mientras duermes (2011)
Pesadelos do Passado / The Pact (2012)
Excision (2012)
Resolution (2012)
Sob a Pele / Under the Skin (2013)
The Den (2013)
No One Lives (2013)
Quando Eu Era Vivo (2014)
Rastro de Maldade / Bone Tomahawk (2015)
As Fábulas Negras (2015)
O Lamento / The Wailing (2016)
O Homem nas Trevas / Don’t Breathe (2016)
A Seita Maligna / The Void (2016)
Happy Hunting (2017)
Plano Sequência dos Mortos / One Cut of the Dead (2017)
Mandy: Sede de Vingança / Mandy (2018)
Hereditário / Hereditary (2018)
Morto Não Fala (2018)
Predadores Assassinos / Crawl (2019)
Menções honrosas:
Rubber, O Pneu Assassino / Rubber (2010)
O Hóspede / The Guest (2014)
Aprisionados / Let us Prey (2014)
A Bruxa / The Vvitch (2015)
Invasão Zumbi / Train to Busan (2016)
Vida / Life (2017)
As Boas Maneiras (2017)
Brinquedo Assassino / Child’s Play (2019)
Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro / Scary Stories to Tell in the Dark (2019)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dicas

DICA DA SEMANA: Não Se Deve Profanar o Sono dos Mortos (1974)

Publicados

em

Não Se Deve Profanar o Sono dos Mortos

Clássico da primeira geração de zumbis modernos, “Não Se Deve Profanar o Sono dos Mortos” (No profanar el sueño de los muertos) do espanhol Jorge Grau ainda causa um certo fascínio pela forma como conduz uma história que hoje em dia poderia ser batida.

Numa área rural no interior da Inglaterra, acompanhamos George (Ray Lovelock) pegando uma carona com Edna (Cristina Galbó), como compensação após esta ter esbarrado na moto dele em um posto de gasolina na estrada. No meio do caminho, Edna dá uma paradinha para visitar uns parentes enquanto George resolve perambular pela propriedade onde estão.

É aí que ele descobre que o governo está testando uma nova máquina que desenvolve radiação sônica para acabar com pragas do campo. Se o nobre leitor ligou uma coisa com a outra, logo vai perceber que esse mecanismo inovador e do tamanho de um trator vai ter um papel mais do que figurativo.

Esqueça os filmes de zumbis posteriores com ataques vorazes e sangue que escorre da tela. Aqui até tem um bom nível de gore, mas isso fica guardado para a metade final. Antes disso, temos uma história que é cozida em fogo brando para criar uma ambientação sinistramente ideal.

Mas se tem algo que torna “Não Se Deve Profanar o Sono dos Mortos” um tanto único é justamente os cenários onde as coisas se desenrolam. Não é numa casa como no filme de Romero, mas em parte em um cemitério e parte em um necrotério como indica um dos vários títulos que deram a ele internacionalmente junto de “Let Sleeping Corpses Lie“, “Don’t Open the Window” e “Zombi 3” (!).

Vale destacar em “Não Se Deve Profanar o Sono dos Mortos” não apenas a direção firme e séria que Grau dá a esta história como ainda a caracterização dos mortos-vivos com seus olhos vermelhos e grunhidos bizarros que não precisam correr para amedrontar os personagens.

Você pode assistir a esta obra-prima do horror gratuitamente no catálogo do Vix onde está com o título “The Living Dead at Manchester Morgue” com legendas.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

EVENTO: Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror (Jan/2021)

Publicados

em

A mostra Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror exibirá 30 longas-metragens, produzidos entre as décadas de 1950, quando foram lançados os primeiros filmes de terror do estúdio, passando pelo auge dos anos 1960, até o início da sua decadência nos anos 1970. São filmes que tem uma legião de fãs no mundo todo e que são, até hoje, cultuados, copiados, parodiados e reverenciados.

As sessões dos filmes acontece de forma presencial, nos cinemas dos CCBBs. Em São Paulo, a mostra acontece de 20 de janeiro a 8 de fevereiro, de quarta-feira a domingo. Serão realizados também eventos on-line: uma masterclass (21/01, 19h) com o cineasta Rodrigo Aragão, a maior referência em filme de terror no Brasil; dois debates (28/01 e 04/02 às 19h); e um curso de duas aulas com o curador Eduardo Reginato (27/01 e 3/02 às 19h). Os links para as atividades on-line, com capacidade para 500 pessoas, serão divulgados na página www.facebook.com/mostraestudiohammer. Tudo gratuito. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Os curadores Eduardo Reginato e Danilo Crespo destacam, entre os títulos da mostra, o primeiro filme do Estúdio Hammer com o Conde Drácula: O Vampiro da Noite (Horror of Dracula, 1958), com os atores que se tornariam os grandes astros do gênero – Peter Cushing e Christopher Lee; uma versão do clássico de Sherlock Holmes O Cão dos Baskervilles (The hound of the Baskervilles, 1959); os filmes de múmias e monstros de Frankenstein que tem um toque especial, diferente dos clássicos americanos, como A Maldição da Múmia (The curse of the mummy’s tomb, 1964) e O Horror de Frankenstein (The horror of Frankenstein, 1970); além de Atração Mortal (The vampire lovers, 1970), uma história de vampiras sensuais que aterrorizam um vilarejo.

“O segmento de horror dos Estúdios Hammer surgiu devido a imensa demanda dos adolescentes e jovens adultos por histórias mais violentas, sensuais e aterrorizantes diferentes da morna e conservadora programação da TV inglesa. No Brasil, os filmes eram exibidos nas sessões da madrugada nas TVs nos anos 1970 e 1980. Era comum as crianças e adolescentes fingirem dormir até o momento da madrugada em que o filme da Hammer começaria e na ‘clandestinidade’ ligar a TV para assistir um delicioso filme de terror que mais divertia do que assustava”, comenta Eduardo Reginato.

O Estúdio Hammer era uma pequena produtora britânica de produção familiar que dominou o mercado global de terror e continua sendo altamente influente. A Hammer ressuscitou os ícones góticos descartados por Hollywood após a II Grande Guerra em filmes elegantes, sensuais e violentos que capturaram a essência da forma literária original e funcionaram como reflexos sombrios do drama convencional, da mesma forma que narrativas góticas inverteram o realismo oitocentista. Embora a idade de ouro do Hammer tenha terminado no início dos anos setenta, a marca continua sendo sinônimo de horror e o estúdio, muito parecido com Drácula, saiu recentemente do túmulo e voltou a produzir novos filmes.

Durante 40 anos o Estúdio Hammer produziu mais de 300 obras. Seus filmes lançaram estrelas que se tornaram lendas do cinema, foram dirigidos por grandes cineastas e são marcados por compositores talentosos. O legado do Hammer ajudou a revitalizar todo um gênero de histórias, deu origem a alguns dos maiores talentos da Grã-Bretanha e continuou a inspirar outros filmes como The Rocky Horror Picture Show, The Mummy (versões de Brendan Fraser e Tom Cruise) e muitos outros.

ESTÚDIO HAMMER – A FANTÁSTICA FÁBRICA DE HORROR
De janeiro a fevereiro de 2021

CCBB RJ – 6 de janeiro a 1º de fevereiro
CCBB SP – 20 de janeiro a 8 de fevereiro
CCBB DF – 2 a 21 de fevereiro
Confira a Programação completa
Ingresso: ENTRADA FRANCA
Patrocínio: Banco do Brasil
Curadoria: Eduardo Reginato e Danilo Crespo
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: A Hora das Sombras (1981)

Publicados

em

Hora das Sombras

O sonho de muitos jovens é entrar para uma universidade. Desta forma, que tal aproveitar a véspera do ENEM que acontece nesses proximos dias de janeiro de 2021, e assistir a “A Hora das Sombras“, um slasher oitentista obscuro onde um assassino ronda um campus universitário atrás de vítimas? Aqui vale muito mais esperar um pouco e estudar quando for seguro do que se arriscar e acabar com a vida reprovada. Qualquer semelhança com a realidade é mera semelhança, hehehe.

Em 1978 surgiu “Halloween” e nos anos que se seguiram, vários “primos” vieram na cola do sucesso, alterando uma coisa e outra, mas a essência era sempre a mesma. E é aqui que “A Hora das Sombras” (Final Exam) entra. É um clone do filme de John Carpenter, porém sem o mesmo brilhantismo. O filme é ruim por isso? Claro que não. Consegue burlar suas limitações e entrega um feijão com arroz divertido.

Vamos lá… Final de semestre e os jovens já anseiam com as férias de verão para se divertirem entre bebedeira, flertes e sexo descompromissado. O problema é que ainda faltam os exames finais. E para completar esse ano, chega um bônus perigosíssimo na forma de um assassino silencioso que está determinado em deixar uma enorme trilha de corpos. Será que os “inocentes” teens serão páreo para sua fúria assassina ou falharão nesse teste de sobrevivência?

Imaginem que o elenco não é lá essas coisas e não possui rostos conhecidos… Ainda assim, as atuações pífias dão o charme a esta produção. Sua direção se esforça em emular o estilo de Carpenter, mas o resultado não é o mesmo. Os clichês rolam à profusão e claro que sabemos quem sobrevive e quem vai pro saco só de olhar para o rostinho bonito da personagem.

Vale salientar que o assassino não é mascarado e não se esconde nas sombras (ui!) mostrando bastante seu rostinho comum, o que pra mim foi um plus, já que na vida real a maioria dos serial killers é assim mesmo. Ah, não esqueci de comentar o gore. Lembram do “Halloween” original? Tal qual o famosão, aqui é mais clima que violência explicita.

Finalizando, se você curte um slasher oitentista como eu, tem tudo para gostar de “A Hora das Sombras” que está inteiro no YouTube. O timing para assistir é agora para dar um respiro desses horrores reais e sérios que vivemos. Vale a pena perder quase 1h30 da sua vida neste escapismo barato e divertido.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending